Mano levará 3 atletas com mais de 23 anos para Jogos de Londres

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012 17:34 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 3 Fev (Reuters) - O técnico da seleção brasileira, Mano Menezes, confirmou nesta sexta-feira que chamará três atletas acima de 23 anos para os Jogos de Londres e disse que haverá até três amistosos exclusivos para o time olímpico, apesar da opção da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em focar a seleção principal a partir de agora.

O treinador evitou falar para quais posições levará os três jogadores com mais de 23 anos, conforme prevê o regulamento da competição.

"Com certeza vamos usar os três jogadores porque a regra permite. Nossa visão é que se tenha acréscimo com (atletas) de 23 anos ou porque se tem uma deficiência ou para dar uma experiência maior. Foi isso que nos levou a tomar essa decisão", disse Mano.

Os adversários dos amistosos ainda estão sendo definidos para a equipe olímpica, mas a principal já tem seis jogos programados para esse ano: Bósnia, Dinamarca, México, Estados Unidos, Argentina e Suécia

Nestes jogos, o treinador pretende chamar e observar atletas sub-23 que poderão estar na lista final de Londres. Os amistosos exclusivos para a seleção olímpica serão realizados mais perto do evento, que vai de 27 de julho a 12 de agosto.

"Nossos compromissos são de seleção principal e vamos fazer o trabalho com a olímpica mais perto da competição, quando daremos uma ênfase maior", disse ele a jornalistas durante o lançamento do novo uniforme da seleção, que ganhou elogios por ser mais tradicional em seu design que o anterior.

"As pessoas podem ficar tranquilas que vamos ter a melhor representação da seleção olímpica", acrescentou ele, lembrando que os jogos não são uma data Fifa e a liberação dos atletas depende de uma negociação com clubes.

A ideia, segundo ele, é iniciar a preparação da seleção olímpica no Brasil e terminar o trabalho poucos dias antes do início dos Jogos, já na Inglaterra.

"Não tenho nenhuma dúvida que muitos da sub-23 vão estar em 2014. É só olhar para a realidade da seleção e do futebol brasileiro", analisou ele. "Desde o início do trabalho a observação acontece em paralelo", acrescentou.   Continuação...