Doping não ajuda no surfe, diz campeão mundial Slater

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012 15:19 BRST
 

GOLD COAST, Austrália, 23 Fev (Reuters) - O campeão mundial de surfe Kelly Slater está feliz em cumprir os novos regulamentos sobre doping que estão sendo implementados em seu esporte, mas duvida que as substâncias para melhorar o desempenho consigam fazer uma pessoa surfar melhor.

A imagem do surfe sempre foi marcada por um estilo de vida selvagem, com os atletas caminhando sobre uma linha fina entre festas e a preparação esportiva.

Apesar de o surfista profissional moderno ser um atleta super saudável, a Associação de Surfe Profissional ainda quer limpar o esporte.

Slater, falando no lançamento do circuito mundial de surfe que terá este ano seus primeiros exames antidoping oficiais -cumprindo as regras da Agência Mundial Antidoping (Wada)- disse que não tinha problemas com os testes.

"Isso não me incomoda", disse Slater à Reuters.

"Eu realmente não sei se a questão de melhora de desempenho se aplica tanto a nós. O surfe é muito tomada de decisões e habilidade. Não se baseia apenas em velocidade e não se baseia apenas na força. Não sei se alguém tomar uma droga se isso vai fazê-la vencer", disse ele.

"Se um cara está disputando uma corrida e quer ir o mais rápido que puder, uma substância provavelmente pode fazê-lo ir mais rápido. Acho que ele poderia provavelmente trapacear. O surfe é um pouco diferente".

A nova política antidoping do surfe vai testar substâncias ilícitas e que melhoram a performance do atleta. Quem infligir as regras poderá ser banido por um mínimo de um ano do circuito.

Slater também ficou confuso sobre a maconha ser vista como uma substância que melhora o desempenho.

"Alguém vai ser preso no circuito? Talvez", disse Slater antes da abertura da temporada do Quiksilver Pro.

""Seria meio engraçado. Quero dizer, seria uma chatice para essa pessoa, seria constrangedor".

 
Campeão mundial de surfe Kelly Slater durante a etapa do Rio de Janeiro do circuito mundial de 2011. 19/05/2011 REUTERS/Sergio Moraes