Teixeira segue no comando da CBF, mas deve pedir licença médica

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 19:22 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 29 Fev (Reuters) - O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, foi confirmado no cargo nesta quarta-feira durante encontro com presidentes de federações estaduais, mas deve pedir em breve uma licença temporária para cuidar de problemas de saúde, segundo os dirigentes.

Teixeira tem um histórico de problemas cardíacos e passou por uma crise de diverticulite no ano passado.

"Ele falou que houve muito rumor da saída dele para pouca verdade e dissipou qualquer dúvida. Ele fica", disse à Reuters o presidente da Federação do Ceará, Mauro Carmélio.

"Ele pode sair para resolver o problema de saúde que está tendo. Uma licença para tratamento médico e deixou aberta essa possibilidade, mas não abandona a CBF", acrescentou ele, sem especificar qual seria o problema.

Um outro presidente de federação que esteve na reunião na sede da CBF, no Rio de Janeiro, confirmou a provável licença temporária de Teixeira. "Ele não está bem de saúde e vai precisar de tratamentos médicos. Só não disse quando deve sair", declarou a fonte, sob condição de anonimato.

A assembleia extraordinária da CBF reuniu os presidentes das 27 federações para discutir o estatuto da entidade. Poucas medidas novas foram tomadas e o artigo mais importante que trata de sucessão na entidade foi mantido.

Em caso de licença temporária da CBF, Teixeira pode indicar um dos cinco vice-presidentes regionais para ocupar a vaga. Já em caso de saída permanente, assumiria o vice-presidente mais velho da entidade, José Maria Marin, de 79 anos, e ligado ao futebol de São Paulo.

Nesta quarta-feira, os presidentes de federação aprovaram uma emenda ao estatuto que prevê que em caso de ausência de um vice-presidente regional uma eleição será convocada para a escolha do suplente.

"O estatuto não foi alterado porque isso poderia ser interpretado de uma outra forma e com outro objetivo. Permanece como vinha antes. Apenas foi inserido um parágrafo no assunto sobre vacância que versa sobre o preenchimento do cargo de vice-presidente", declarou o presidente da Federação de Futebol do Rio, Rubens Lopes, porta-voz dos federados.   Continuação...