Centro judaico pede ação da Uefa contra o antissemitismo

sexta-feira, 2 de março de 2012 10:06 BRT
 

BERLIM, 2 Mar (Reuters) - As agressões antissemitas contra o jogador israelense Itay Shechter exigem uma "ação exemplar" da Uefa, disse uma importante entidade judaica de direitos humanos em carta remetida nesta sexta-feira à entidade que dirige o futebol europeu.

O Centro Simon Wiesenthal se disse "chocado com a intensidade" dos ataques verbais contra o atacante durante um treino do Kaiserslautern na semana passada na Alemanha, e disse que os responsáveis precisam ser processados.

O incidente ocorreu no domingo, um dia depois de o Kaiserslautern, ameaçado de rebaixamento, ser goleado por 4 x 0 pelo Mainz 05. O time agora ocupa a 17ª posição na tabela, empatado em número de pontos com o lanterna Freiburg.

Um pequeno grupo de pessoas gritou insultos antissemitas para Shechter e fez a saudação nazista. Centenas de torcedores haviam ido ao clube conversar com jogadores e dirigentes sobre a má fase.

"Pedimos à Uefa que peça a seus afiliados alemães para processarem rapidamente os autores desse ultraje e todos os que promovem o ódio dessa forma. A Uefa também deve garantir que os jogos da próxima Eurocopa sejam isentos de racismo", disse a carta dirigida a Michel Platini, presidente da Uefa.

O texto diz que os abusos incluíam saudações nazistas e gritos de "junte-se aos 6 milhões", numa alusão ao número de vítimas do Holocausto.

A polícia está tentando identificar os envolvidos na confusão. O clube condenou o incidente e pediu aos torcedores que apontem os responsáveis.

(Reportagem de Karolos Grohmann)