Jogos Olímpicos desafiam crise e se tornam evento mais rico

quinta-feira, 8 de março de 2012 15:39 BRT
 

Por Keith Weir e Karolos Grohmann

LONDRES/BERLIM, 8 Mar (Reuters) - Bancos quebraram e países ficaram à beira do colapso desde que Pequim sediou os Jogos Olímpicos em 2008, mas as Olimpíadas desafiaram a desaceleração econômica, tornando-se um evento ainda mais rico em meio ao patrocínio recorde e receita televisiva.

A receita com a transmissão dos Jogos de Londres este ano e das Olimpíadas de Inverno em Vancouver em 2010 vai totalizar 3,9 bilhões de dólares, um aumento de 50 por cento em relação ao período anterior de quatro anos.

Além disso, as 11 empresas internacionais que patrocinam as Olimpíadas pagaram quase 1 bilhão de dólares pela chance de comercializar seus produtos associados aos Jogos.

Apesar das turbulências na economia global, as Olimpíadas se beneficiam da forte expansão dos mercados de televisão e globalização do comércio, além de prometerem drama humano perante uma enorme audiência.

"Se você quiser considerar uma marca, é uma marca que tem como apelo as emoções mais fortes", afirmou Paul Deighton, ex-banqueiro do Goldman Sachs que atualmente é presidente-executivo do Comitê de Organização para os Jogos de Londres.

"Faz as pessoas chorarem de emoção. São grandes histórias emocionantes", acrescentou.

MAIS RÁPIDO, MAIOR E MAIS RICO

Críticos afirmam que a comercialização dos Jogos, um processo que se acelerou desde que Los Angeles sediou o evento em 1984, separou as Olimpíadas dos ideais de promover paz, união e educação.   Continuação...