Governo revê trecho sobre bebida para passar Lei da Copa

terça-feira, 20 de março de 2012 19:03 BRT
 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA, 20 Mar (Reuters) - Na tentativa de aprovar a Lei Geral da Copa na Câmara dos Deputados, o governo voltou a mudar de posição nesta terça-feira na questão da comercialização de bebidas alcoólicos em estádios e abriu negociação com a oposição, que quer vincular a votação do projeto a uma data para a Casa analisar o Novo Código Florestal.

Após reunião entre líderes da base e os ministros Aldo Rebelo (Esporte) e Ideli Salvatti (Relações Institucionais), ficou acertado que o texto da Lei da Copa que vai à votação apenas suspenderá a legislação federal que trata da venda de bebidas em estádios.

Essa manobra abre margem à interpretação de que caberá aos Estados decidir se suspendem durante o Mundial leis locais que proíbem a venda de bebidas alcoólicas nas arenas esportivas.

Na avaliação do ministro do Esporte, "o governo manteve a posição de defender o cumprimento das garantias" assumidas pelo país junto à Fifa, o que inclui a permissão de venda de bebidas alcoólicas nos estádios durante a Copa.

O ministro Aldo Rebelo argumentou que os governadores dos Estados que receberão partidas da Copa também assinaram compromissos junto à entidade.

Para o relator da Lei Geral da Copa, deputado Vicente Cândido (PT-SP), que também participou da reunião, a Fifa teria de negociar a liberação da venda de bebidas alcoólicas com sete Estados.

A questão é sensível para a Fifa, que tem uma marca de cerveja entre seus principais patrocinadores.

A oposição, por sua vez, promete se aliar à bancada ligada à agropecuária e atrapalhar a votação da Lei Geral, a não ser que o governo defina uma data para a votação de um outro projeto polêmico: o Novo Código Florestal. Por não haver acordo sobre um calendário de votação desse texto, a Lei da Copa não será votada nesta terça-feira, segundo líderes da oposição.   Continuação...