Comitê executivo da Fifa entra na organização da Copa do Mundo

quarta-feira, 28 de março de 2012 14:46 BRT
 

28 Mar (Reuters) - A Fifa incluiu seu comitê executivo inteiro no órgão organizador da Copa do Mundo da federação internacional, temendo o andamento dos preparativos para o torneio de 2014 no Brasil.

"No intuito de sublinhar a importância do Mundial para a entidade máxima do futebol, o Comitê Executivo da Fifa agora fará parte, pela primeira vez, do fórum deliberativo que é responsável por monitorar e organizar cada edição do principal torneio da Fifa", disse a entidade em comunicado nesta quarta-feira.

A Fifa informou que Danny Jordaan, presidente do comitê organizador local da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, e Alexei Sorokin, chefe do comitê organizador do evento na Rússia em 2018, também farão parte do órgão na condição de consultores especiais.

Os preparativos para a Copa do Mundo do Brasil têm sido marcados por atrasos na construção dos estádios e de outras obras de infraestrutura, como aeroportos, conexões de transporte e hotéis.

Essas preocupações aumentaram com os planos dos organizadores de fazer as equipes viajarem a diferentes regiões do país para as partidas de primeira fase, em vez de permanecerem numa mesma região.

A Fifa também está irritada com os seguidos adiamentos na votação no Congresso da Lei Geral da Copa, um conjunto de regras para a realização do Mundial que vai liberar a venda de álcool nos estádios -uma exigência da Fifa por questões comerciais-, entre outros pontos polêmicos.

Um acordo fechado na Câmara dos Deputados marcou a votação da lei para esta quarta-feira, após inúmeros adiamentos por temores de uma derrota do governo.

A Fifa confirmou ainda que o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, -que enfureceu os brasileiros ao dizer que os organizadores locais precisavam de um "chute no traseiro"- participou da reunião do comitê organizador em Zurique nesta quarta.

"Jérôme Valcke compareceu à reunião como a pessoa encarregada da organização da Copa do Mundo na Fifa", disse a entidade que governa o futebol em um outro comunicado.   Continuação...