Arábia Saudita não impedirá mulheres de competir em Londres

quinta-feira, 5 de abril de 2012 15:50 BRT
 

RIAD, 5 Abr (Reuters) - A Arábia Saudita não impedirá suas cidadãs de competirem nas Olimpíadas, mas não dará apoio oficial, disse o chefe da autoridade esportiva do país, segundo um jornal.

A declaração pode indicar uma conciliação entre os religiosos linha-dura da Arábia Saudita e os reformistas em meio à pressão internacional para que o reino conservador apresente uma atleta mulher pela primeira vez na Olimpíada de Londres em 2012.

"Não endossamos nenhuma participação feminina saudita na Olimpíada nem nos torneios internacionais", disse o príncipe Nawaf bin Faisal, chefe da Presidência Geral do Bem-Estar da Juventude, segundo o jornal Al-Riyadh.

"A participação feminina saudita será de acordo com o desejo das estudantes e demais vivendo no exterior. Estamos fazendo isso para garantir que a participação esteja dentro da estrutura apropriada e em conformidade com a sharia", afirmou ele, de acordo com a publicação.

Importantes clérigos sauditas com posições no governo e que sempre constituíram uma base de apoio importante para a família real Al-Saud, que governa o país, têm se manifestado contra a participação das mulheres nos esportes.

Em 2009, um clérigo disse que as garotas arriscam perder sua virgindade rompendo o hímen caso participem de esportes energéticos.

No mês passado, o Comitê Olímpico Internacional disse estar "confiante" de que o principal exportador de petróleo do mundo estivesse trabalhando para enviar uma atleta aos Jogos depois de uma campanha promovida pela entidade Human Rights Watch.

A candidata com maior probabilidade de competir sob a bandeira saudita em Londres talvez seja a cavaleira Dalma Malhas. Ela representou o reino na Olimpíada júnior em Cingapura em 2010, mas sem apoio oficial nem reconhecimento.

A educação física está proibida nas escolas públicas para meninas no país, mas a única vice-ministra mulher da Arábia Saudita, Noura al-Fayez, escreveu à Human Rights Watch dizendo que há um projeto para introduzi-la.

O príncipe Nawaf reconheceu que há uma demanda crescente por esportes entre as mulheres sauditas.