April 9, 2012 / 12:12 PM / in 5 years

Legado olímpico sofre falta de uso 4 anos após Jogos de Pequim

3 Min, DE LEITURA

Estádio Nacional da China (D), conhecido como "Ninho de Pássaro", e o Centro Nacional Aquático, conhecido como "Cubo D'Água", em Pequim. Quatro anos depois de Pequim sediar uma Olimpíada espetacular, a capital da China vê amplas melhorias no transporte público e na infraestrutura, mas muitas arenas construídas definham por falta de cuidado e de uso. 31/03/2012David Gray

Por Ben Blanchard e Haze Fan

PEQUIM, 9 Abr (Reuters) - Quatro anos depois de Pequim sediar uma Olimpíada espetacular, a movimentada capital da China vê amplas melhorias no transporte público e na infraestrutura, mas muitas arenas construídas para o evento definham por falta de cuidado e de uso.

As "joias da coroa" foram duas construções com arquitetura estonteante -o estádio principal conhecido como "Ninho de Pássaro" e o centro aquático "Cubo D'água"-, que foram descritos pelo presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, como arenas "lindas" e "sem precedentes".

"A realização bem sucedida da Olimpíada não foi apenas esplêndida para os esportes chineses, ela estimulou a paixão de um bilhão de pessoas pelo esporte", afirmou o ministro dos Esportes do país, Liu Peng, no ano passado, de acordo com a mídia estatal, resumindo o legado deixado pelos Jogos para Pequim.

Hoje, porém, ambos os locais são mais conhecidos por atrair constantemente uma onda de turistas curiosos -cerca de 4,61 milhões de visitantes em 2011-, do que por sediar grandes eventos esportivos.

O "Ninho de Pássaro", que raramente recebe partidas de futebol ou competições de atletismo, acabou servindo para abrigar o primeiro rodeio da China e um parque temático "maravilhas do inverno", além de espetáculos.

A administração do estádio estima que no ritmo atual, serão necessárias três décadas para recuperar os 3 bilhões de iuanes (480 milhões de dólares) que foram gastos para sua construção.

O vizinho "Cubo D'Água" perdeu estimados 11 milhões de iuanes no ano passado, mesmo com contínuo subsídio do Estado e lucros de um parque aquático adjacente construído após a Olimpíada para fazer dinheiro com a fama do local.

"O custo para construir os locais dos Jogos Olímpicos foi substancial. Mas os organizadores falharam ao não considerar de forma geral como usar os espaços após a Olimpíada", disse o editor-chefe de esportes do NetEase Media Group, Yan Qiang.

"Os locais de competição, quanto mais frequentemente são usados, mais tempo irão durar, melhor o cuidado que irão receber e a sociedade irá se beneficiar muito mais", acrescentou Yan. "Eu acho que Pequim tem um problema grave sobre este assunto".

Reportagem adicional de David Gray

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below