Conquista da medalha de ouro olímpica é prioridade, diz Marin

segunda-feira, 9 de abril de 2012 19:06 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 9 Abr (Reuters) - A conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres foi apontada como prioridade nesta segunda-feira pelo novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin.

"Claro que temos preocupação com 2014; (mas) antes de 2014 temos 2012, que também é prioridade", disse o dirigente em entrevista coletiva.

"Vamos disputar um título inédito do futebol brasileiro. Temos que nos preocupar e dar estrutura necessária para trazer o título tão desejado. O êxito contribuiria de maneira decisiva para a grande meta que é a Copa do Mundo", acrescentou Marin, afirmando que não está "medindo esforços para a seleção olímpica".

No dia em que completou um mês à frente do cargo, o dirigente cobrou a construção de uma equipe forte pelo técnico Mano Menezes para a conquista do ouro olímpico.

"Além da construção das arenas, para nós e para o povo é importante a construção de uma grande seleção. Isso ouço e sou cobrado por onde eu passo. Vamos construir arenas esportivas e ao mesmo tempo uma grande seleção brasileira", declarou ele.

A seleção que vai à Londres contará com jovens destaques que já atuam no time principal como Neymar, Paulo Henrique Ganso, Leandro Damião e Lucas, além de três jogadores com mais de 23 anos.

Dentro da entidade há um consenso de que o grupo que disputará a Olimpíada formará a base da seleção na Copa de 2014 e que o sucesso da preparação do Brasil passa obrigatoriamente por um bom desempenho em Londres.

Marin anunciou ainda os chefes das delegações das equipes masculina e feminina de futebol em Londres. O time masculino será chefiado pelo presidente da federação de Santa Catarina, Delfim Peixoto, enquanto a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, ex-nadadora, foi convidada para chefiar a equipe feminina. Ela, no entanto, ainda não confirmou sua presença em Londres.

Após um mês no cargo, Marin reforçou o discurso político de "portas abertas" e garantiu que não fala com o ex-presidente Ricardo Teixeira desde a saída do dirigente do cargo.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)