Resseguradora britânica tem US$7,3 bi para cobrir casos de terror

sexta-feira, 27 de abril de 2012 16:23 BRT
 

Por Myles Neligan

LONDRES, 27 Abr (Reuters) - A Pool Re, resseguradora que tem o respaldo do Estado britânico e cobre perdas de bens comerciais relacionadas a ataques terroristas, tem 4,5 bilhões de libras (7,3 bilhões de dólares) em ativos para cobrir os Jogos Olímpicos e não aumentou os prêmios para o evento.

Ataques a bomba ou outros incidentes que custarem mais do que essa quantia serão cobertos pelo contribuinte britânico sob a estrutura da Pool Re, criada nos anos 1990, quando o governo temia que as atividades dos grupos militantes irlandeses pudessem tornar as propriedades de Londres não seguráveis e prejudicassem a economia.

O diretor executivo da Pool Re, Steve Atkins, disse que sua equipe analisou cuidadosamente a exposição de seus clientes aos Jogos Olímpicos a fim de se preparar para um possível ataque durante o evento.

"Normalmente não teríamos uma interação com toda seguradora de cada programa; mas, com coisas como as Olimpíadas, tendemos a fazer isso para que, se houver qualquer coisa, já sabemos quais são os arranjos do seguro."

A Pool Re foi criada em 1993 depois que uma onda de ataques a bomba do Exército Republicano Irlandês no distrito financeiro de Londres ameaçou tornar as propriedades comerciais não seguráveis, prejudicando o investimento no setor.

A resseguradora, que cobre apenas os danos a imóveis comerciais, cobra de seus clientes prêmios anuais e atende as reivindicações sacando os próprios ativos, atualmente no valor de cerca de 4,5 bilhões de libras (7,28 bilhões de dólares).

Ela pode pedir financiamento ilimitado dos contribuintes no caso de perdas maiores e, em troca, dá 10 por cento de seus prêmios ao governo.

Atkins afirmou que a Pool Re não cobrou mais de seus clientes no período que antecedeu os Jogos Olímpicos de 2012 em Londres porque o risco de um ataque terrorista "é muito difícil de avaliar com algum grau de precisão".   Continuação...