Olimpíada do Rio terá kite no lugar do windsurfe

segunda-feira, 7 de maio de 2012 11:09 BRT
 

Por Ian Ransom

MELBOURNE, 7 Mai (Reuters) - A Federação Internacional de Vela (FIV) anunciou no fim de semana a substituição do windsurfe pelo kitesurfe a partir da Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro -- decisão que, naturalmente, frustrou os praticantes da primeira modalidade, e agradou aos da segunda, que fará sua estreia nos Jogos.

"Claramente, esses velejadores (do windsurfe) estão bastante devastados. Pelo menos de início, parece que seus sonhos foram frustrados por essa decisão. Resta ver se muitos desses atletas não desejam reavaliar e abraçar o kitesurfe como uma nova disciplina. Imagino que iremos incentivá-los a ver isso", disse à Reuters na segunda-feira o dirigente australiano da vela Peter Conde.

As federações de windsurfe dizem que irão pressionar a FIV a reincorporar a modalidade ao programa olímpico. Bryony Shaw, medalhista de bronze pela Grã-Bretanha nos Jogos de Pequim, assinou uma petição pela Internet nesse sentido.

Falando à Reuters por telefone, Bem Finkelstein, técnico da campeã mundial Lee Korzits, manifestou preocupações com os custos envolvidos na mudança.

"Surfistas profissionais que decidirem fazer a mudança poderão usar suas habilidades para se adaptarem, mas estou muito mais preocupado com todos os clubes e com os surfistas jovens, menos experientes. É uma modalidade completamente diferente, e se quisermos nutrir competidores na nova modalidade isso implicará alterar o equipamento, e exigirá um enorme gasto."

No windsurfe, o atleta manuseia uma vela instalada sobre a sua prancha. No kitesurfe, a prancha é movida por uma espécie de parapente preso ao corpo do velejador.

(Reportagem adicional de Ian Ransom)