Kiev quer combater comércio sexual durante Eurocopa

sexta-feira, 11 de maio de 2012 13:58 BRT
 

KIEV, 11 Mai (Reuters) - A capital da Ucrânia, Kiev, lutando para livrar-se da reputação de novo destino para o turismo sexual, está tomando medidas para coibir a prostituição durante o campeonato de futebol europeu, informou o governo da cidade nesta sexta-feira.

A Ucrânia espera que cerca de um milhão de torcedores de futebol estrangeiros visitem o país durante a Euro 2012, que a nação sedia junto com a Polônia no próximo mês, e na final em Kiev, no dia 1o de julho.

O governo da cidade de Kiev se reuniu com autoridades do Ministério do Interior e do serviço de segurança do Estado (SBU) nesta semana para discutir medidas para coibir o comércio sexual, que é ilegal na ex-república soviética, disse um alto funcionário municipal nesta sexta-feira.

"Ordenamos a polícia e o SBU para evitar tais atividades", afirmou Anatoly Holubchenko, vice-chefe do governo da cidade, a repórteres.

Folhetos promocionais produzidos por editoras privadas e entregues aos turistas em locais como aeroportos e hotéis de Kiev muitas vezes apresentam anúncios de casas de massagem e outros pontos da indústria de sexo.

"A prefeitura não tem nada a ver com guias que oferecem serviços sexuais", disse Holubchenko ao apresentar um guia oficial para os torcedores da Euro, que convida os visitantes a ver as antigas igrejas cristãs ortodoxas, museus e monumentos de Kiev.

A Ucrânia, tal como muitas outras nações do Leste Europeu, viu um aumento nas atividades ilegais, como prostituição e tráfico de seres humanos, após o colapso da União Soviética e a subsequente crise econômica da década de 1990.

A nação agora está tentando melhorar sua imagem com eventos como os campeonatos europeus, embora o grupo local de direitos das mulheres Femen, famoso por seus protestos públicos com ativistas de topless, foi contra o país sediar o torneio dizendo que isso só irá impulsionar o comércio do sexo.

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia se opôs oficialmente no mês passado a um comercial de televisão holandês que, de brincadeira, pediu aos espectadores do sexo feminino para manter seus maridos e namorados longe das mulheres ucranianas durante a Euro.

(Reportagem de Olzhas Auyezov)