A dois anos da Copa, 41% das obras ainda não saíram do papel

quarta-feira, 23 de maio de 2012 16:48 BRT
 

BRASÍLIA, 23 Mai (Reuters) - De todas as obras planejadas para a Copa do Mundo de 2014, quase 41 por cento ainda não saíram do papel, mostrou um balanço do governo apresentado nesta quarta-feira. Ainda assim, ministros garantiram que todas estarão concluídas a tempo para o Mundial.

Os atrasos estão concentrados na área de infraestrutura, que sempre foi o ponto de maior preocupação da Fifa com a preparação do país para a Copa. Os 12 estádios estão com obras em andamento e consideradas dentro do cronograma, apesar de apenas cinco terem superado a marca de 50 por cento de conclusão.

Do total de 101 empreendimentos listados como obras da Copa pelo governo, só cinco foram concluídos e 41 ainda não saíram do papel. Desses, 15 são os com maiores problemas, ainda na fase de elaboração de projetos -- 7 no setor de aeroportos, 7 de mobilidade urbana e 1 de portos.

Outras 17 obras estão em fase de licitação, enquanto 9 já tiveram a licitação concluída e aguardam o início das obras. Os cinco empreendimentos finalizados são os terminais aéreos em Cuiabá, Porto Alegre, São Paulo (Garulhos) e Campinas e a obra na pista e no pátio em Garulhos. Juntos os projetos representam apenas 1 por cento do investimento total previsto.

"Não sei por que esse preconceito com obras no papel", disse o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, encarregado de apresentar o balanço ao lado dos ministros do Planejamento, Miriam Belchior, das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, da Secretaria Especial de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, e da Secretaria de Portos, Leônidas Cristino.

"Não é o fato de ainda estar no papel que significa propriamente um atraso. Nós temos esse conjunto de obras porque sabemos que o Brasil, pela complexidade da sua estrutura democrática e institucional, impõe um coeficiente de atritos até você sair da licitação, do planejamento, do contrato, até o início da obra, você tem que se submeter a exigências legais muito duras", acrescentou.

"Diante disso, como nós temos já registrado, nada deixará de ser feito por causa dessas exigências", explicou.

Rebelo e o ministro das Cidades disseram ainda que parte das obras que ainda estão em fase de projeto ou licitação sofre com a burocracia e com os entraves ambientais e, por isso, não estão em ritmos mais avançados.

O balanço do governo reafirma que as obras dos seis estádios selecionados para a Copa das Confederações de 2013 nas cidades de Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e Recife estarão prontas dentro do prazo.   Continuação...