COI faz alerta: o tempo é curto para os Jogos do Rio-2016

quarta-feira, 6 de junho de 2012 19:51 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 6 Jun (Reuters) - O tempo é curto para o Rio de Janeiro concluir todos os projetos previstos para os Jogos Olímpicos de 2016, alertou nesta quarta-feira o Comitê Olímpico Internacional (COI), ressaltando uma preocupação com as obras das arenas esportivas que ainda não começaram.

Após três dias de reuniões e visitas a obras na cidade, a chefe da comissão de coordenação do COI, Nawal El Moutawakel, afirmou que as atenções estão voltadas principalmente para as instalações olímpicas que precisam ser erguidas para os Jogos, uma vez que os projetos de infraestrutura já estão em andamento.

O Parque Olímpico, que reúne a maioria das arenas esportivas, e o complexo de Deodoro, o segundo principal centro esportivo dos Jogos, ainda não começaram a ser erguidos, e o COI cobrou que as obras não sofram atrasos que possam comprometer a realização de eventos-teste antes dos Jogos.

"Está ficando claro que o tempo para se entregar está ficando bastante apertado e a quantidade de trabalho a ser entregue é bastante considerável, especialmente porque as construções no Parque Olímpico e do complexo de Deodoro... estão previstas para serem concluídas entre metade de 2015 e o início de 2016", disse Nawal, ao avaliar as reuniões com os organizadores do Rio-2016.

"Mas também estamos confiantes que há tempo suficiente para entregar o que é necessário", acrescentou. "Há um grande volume de trabalho que precisa ser feito entre agora e 2016, e um grande número de instalações olímpicas que precisam estar prontas a tempo para servirem como evento-teste."

De acordo com o comitê organizador dos Jogos, as obras do Parque Olímpico, que será construído onde atualmente está o autódromo de Jacarepaguá, começarão no segundo semestre, com a demolição de parte das arquibancadas. As intervenções no complexo de Deodoro estão previstas para começar no início do ano que vem.

Também houve um alerta do COI quanto à capacidade hoteleira da cidade, que já demonstrou estar defasada diante da alta procura para a cúpula de desenvolvimento sustentável da ONU Rio+20 este mês. O déficit hoteleiro é ressaltado pelo comitê internacional como um desafio a ser resolvido pela cidade desde a escolha do Rio para receber os Jogos, em 2009.

"Ficamos satisfeitos em saber que há interesse em novos projetos de hotéis, apesar de muita coisa ainda precisar ser construída para cobrir o buraco percebido no momento da candidatura. Como antecipado, um grande número de quartos será em navios de cruzeiro e o novo pier e a reforma do porto serão essenciais", disse a marroquina.

Ao contrário das constantes críticas da Fifa à preparação brasileira para a Copa do Mundo, o COI tem elogiado o Rio pelos preparativos da cidade para os Jogos desde a primeira visita de inspeção, em 2010.   Continuação...

 
Nawal El Moutawakel, do COI, conversa com o presidente do comitê organizador dos Jogos do Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, durante entrevista coletiva no Rio de Janeiro nesta quarta-feira. REUTERS/Sergio Moraes