CORREÇÃO OFICIAL-Maracanã recebe mais R$200 mi de financiamento

terça-feira, 12 de junho de 2012 10:51 BRT
 

(Corrige título e no texto de matéria publicada na 2a-feira a fonte de financiamento dos novos recursos para o Maracanã para CAF, em lugar do BB, conforme retificação feita pelo governo do Rio de informação divulgada na véspera)

RIO DE JANEIRO, 11 Jun (Reuters) - Com 56 por cento da reforma concluída para a Copa do Mundo de 2014, o estádio do Maracanã receberá financiamento de 200 milhões de reais da Corporação Andina de Fomento (CAF), além dos 400 milhões de reais já garantidos pelo BNDES para as obras.

O estádio, palco da final da Copa do Mundo e também da Copa das Confederações de 2013, tem exatamente um ano para ficar pronto antes de receber o torneio preparatório para o Mundial, que vai de 15 a 30 de junho do ano que vem.

Do orçamento total estimado em 859 milhões de reais para a reforma completa do estádio, a maior parte --400 milhões de reais-- será disponibilizada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), enquanto outros 200 milhões virão da CAF, o banco de desenvolvimento latino-americano, e o restante sairá do caixa do governo estadual, proprietário do estádio e responsável pela obra.

A previsão do governo do Estado é que até o fim do mês 60 por cento da obra de modernização do Maracanã esteja pronta.

A reforma do estádio já foi paralisada algumas vezes por conta de greves e, neste ano, a construtora Delta Engenharia saiu do consórcio que atua nas obras após o escândalo envolvendo o nome da empresa na CPI que investiga o empresário Carlinhos Cachoeira no Congresso.

Apesar de nas estatísticas as obras estarem mais da metade prontas, os desafios para o estádio ficar concluído a tempo para a Copa das Confederações, em junho do ano que vem, parecem ser grandes.

Entre os desafios vistos numa visita nesta segunda ao estádio estão, por exemplo, a colocação de uma imensa estrutura para a cobertura do estádio (umas das maiores do mundo em área), a instalação de arquibancadas e as obras dos arredores, incluindo o estacionamento, entre outras.

"Estou com relativa tranquilidade quanto ao cumprimento do cronograma previsto e dos prazos. Não vejo muita diferença entre o prazo previsto e o atual. Há um atraso aqui e outro ali, mas não tem nada que não possa ser recuperado a tempo", afirmou o ministro do Esporte.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)