Ucrânia despreza boicote de políticos em jogo da Euro 2012

terça-feira, 12 de junho de 2012 14:53 BRT
 

KIEV, 12 Jun (Reuters) - A Ucrânia, coanfitriã da Eurocopa, desprezou um boicote a um jogo por uma série de políticos europeus e disse nesta terça-feira esperar ainda mais torcedores estrangeiros do que antes.

A União Europeia criticou duramente a prisão da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, uma oponente-chave do presidente Viktor Yanukovich, sob acusações de abuso de poder em outubro do ano passado e arquivou um acordo de associação com Kiev sobre o assunto.

Uma alegação de Tymoshenko de que os guardas prisionais tinham batido nela em abril - negada pelas autoridades - provocou mais indignação no Ocidente, e muitos líderes europeus disseram que não iriam assistir aos jogos do campeonato na Ucrânia.

Mas Borys Kolesnikov, vice-primeiro-ministro da Ucrânia e responsável pelo torneio, disse que a ausência de políticos do alto escalão não estava dissuadindo os torcedores estrangeiros de visitar o país.

"Compareci a muitos campeonatos mundiais e campeonatos europeus e eu nunca vi políticos de alto escalão em jogos de grupo", disse ele. "Participar de um jogo da seleção nacional é uma oportunidade, mas não uma obrigação para qualquer político."

Kolesnikov disse que o governo agora espera até 1,2 milhão de torcedores estrangeiros para visitar a Ucrânia, contra estimativas anteriores de 800.000 a 1 milhão.

"A situação (com os torcedores que chegam) só irá melhorar", disse ele. "Todos os hotéis na Ucrânia estão 99,9 por cento cheios."

Alemanha, França e Grã-Bretanha lideraram o boicote por causa do tratamento dado a Tymoshenko, que agora está sendo cuidada por problemas crônicos na coluna em uma clínica na cidade de Kharkiv, um dos palcos da Euro.

Um tribunal que avalia o recurso dela contra o veredicto e a sentença de sete anos vai reiniciar as audiências em 26 de junho.   Continuação...