Rússia acusa torcedores poloneses de provocar brigas na Eurocopa

quarta-feira, 13 de junho de 2012 16:27 BRT
 

MOSCOU/VARSÓVIA, 13 Jun (Reuters) - A Rússia acusou os torcedores poloneses na quarta-feira de provocarem batalhas nas ruas contra os torcedores russos antes da partida entre as seleções dos dois países na Eurocopa 2012 e pediu que o governo polonês impeça a ocorrência de novas confusões ao longo do torneio.

Grupos de jovens brigaram uns com os outros, gritaram insultos nacionalistas e atiraram pedras, garrafas e tochas contra a polícia polonesa na terça-feira, em confrontos que expuseram a relação problemática entre os países vizinhos.

Durante uma tarde e uma noite de brigas, a polícia informou ter detido 184 pessoas - 156 poloneses e a maioria restante formada por russos.

"Foram tomadas medidas para garantir a segurança dos torcedores russos. Infelizmente, porém, as provocações de alguns grupos de torcedores poloneses não puderam ser evitadas", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, em um comunicado na quarta-feira.

Os diplomatas russos estavam tentando ajudar uma série de cidadãos russos feridos ou detidos, acrescentou ela.

"Nós de fato esperamos que os acontecimentos de 12 de junho não se repitam, que as autoridades polonesas tomem todas as medidas necessárias e que as partidas remanescentes sejam uma verdadeira celebração para todos os amantes do futebol", afirmou o comunicado.

A violência começou enquanto milhares de torcedores russos caminhavam em marcha em direção ao estádio horas antes da partida.

O presidente da Federação Russa de Futebol, Sergei Fursenko, disse que alguns poloneses consideraram a marcha uma provocação. Mas os torcedores russos quiseram marchar apenas porque o jogo coincidiu com o dia nacional da Rússia, disse ele ao site russo Sport Express.

"Esse tipo de confusão acontece...Não há necessidade de reagir às provocações - tudo ficará ok", disse Fursenko ao site.

Os torcedores russos se comportaram bem durante a partida, acrescentou ele.

Autoridades polonesas pediram desculpas na quarta-feira pela violência, mas o premiê polonês, Donald Tusk, disse que as brigas de rua foram limitadas, rapidamente contidas e não políticas.