Na Euro, seleções refletem desempenho dos países na crise

quinta-feira, 14 de junho de 2012 17:36 BRT
 

Por Timothy Heritage

KIEV, 14 Jun (Reuters) - A Alemanha está liderando e deixando os concorrentes temerosos na sua esteira. A Grécia, por outro lado, está perigosamente perto da porta de saída.

Poderia ser uma referência à zona do euro, mas trata-se da Euro 2012.

Mesmo no principal torneio de seleções da Europa, é difícil ficar longe da crise da dívida que atinge alguns dos países que jogam na competição de 16 nações.

Políticos dos países endividados, como Grécia, Espanha, Itália, Irlanda e Portugal, esperam que o sucesso em campo possa --pelo menos por um tempo-- desviar a atenção da falta de moradia, do desemprego e dos bancos falidos.

"Eu não sei o quão longe nós iremos e o que podemos fazer, mas com a nossa alegria de jogar futebol, queremos dar alegria aos gregos", disse Giorgos Samaras, atacante da seleção grega.

Infelizmente para Samaras e a Grécia, a primeira semana do campeonato realizado na Polônia e na Ucrânia tem feito pouco para levantar a moral e pode deprimir ainda mais vária nações apaixonadas pelo futebol que não conseguiram brilhar em campo.

Já os alemães estão perto de se classificar para as quartas-de-final depois de vencer Portugal por 1 x 0 e a Holanda por 2 x 1, com boas performances que mostraram muitas das qualidades que tornaram a sua economia a mais forte da Europa.

Bem organizados e trabalhadores incansáveis, eles são rígidos na defesa, eficientes no meio-campo e produtivos no ataque. Não surpreendentemente, os alemães estão entre os favoritos ao título.   Continuação...

 
Torcedores espanhóis mostram dinheiro que ele retiraram de um caixa automático antes da partida entre Espanha e Irlanda na Eurocopa 2012 na cidade velha em Gdansk, 14 de junho de 2012. REUTERS/Peter Andrews