ANÁLISE-Ponto fraco, defesa do Brasil gera dúvidas para Londres

quinta-feira, 14 de junho de 2012 20:02 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO, 14 Jun (Reuters) - Mano Menezes já adiantou que Thiago Silva será o capitão do Brasil na Olimpíada de Londres. A presença do zagueiro do Milan, no entanto, não deve ser o bastante para dar consistência à defesa brasileira nos Jogos Olímpicos.

Usar as três vagas que tem direito para jogadores acima do limite de idade olímpica (23 anos) para homens da defesa pode ser a saída para o treinador tentar resolver as falhas defensivas. Ainda assim seria pouco, já que há dificuldades entre os jovens nas duas laterais e também em encontrar um companheiro para Thiago Silva no miolo da zaga.

Com o capitão lesionado e a defesa formada pelos jovens Juan e Bruno Uvini, o Brasil não conseguiu marcar a Argentina de Lionel Messi e foi derrotado por 4 x 3 no último jogo da seleção olímpica, no sábado, quando o melhor jogador do mundo explorou com velocidade os espaços deixados pela retaguarda do Brasil.

"Seleção brasileira não pode levar quatro gols de ninguém, nem da Argentina nem de Messi", disse à Reuters o ex-lateral-direito do Brasil Carlos Alberto Torres, capitão do tricampeonato mundial conquistado em 1970 no México.

"Tem muita coisa para arrumar ali. Não dá para jogar sem o Thiago Silva e precisa de outras peças também, porque o time mostrou uma fragilidade defensiva. Acho que essa é a principal lição que fica desses amistosos", acrescentou.

Mesmo quando esteve em campo, o zagueiro de 27 anos, que já foi confirmado como um dos três nomes acima do limite de idade para os Jogos, o Brasil perdeu por 2 x 0 para o México e também levou gols nas vitórias por 4 x 1 sobre os EUA e 3 x 1 sobre a Dinamarca.

"É muito gol para uma defesa brasileira, mas foi uma boa lição, porque enfrentamos a força máxima da Argentina e a seleção (brasileira) está se formando", disse o tetracampeão mundial com o Brasil Mario Jorge Zagallo.

O lateral-direito Danilo, que começou a série de amistosos como titular, perdeu a vaga para Rafael contra a Argentina após deixar clara sua deficiência na marcação. O gol dos EUA e o primeiro do México saíram em erros defensivos do jogador do Porto.   Continuação...

 
O argentino Lionel Messi passa entre os brasileiros Rômulo e Juan em amistoso disputado no sábado. REUTERS/Eduardo Munoz