Gregos e alemães querem deixar política de lado na Euro 2012

terça-feira, 19 de junho de 2012 14:43 BRT
 

Por Patrick Graham

VARSÓVIA, 19 Jun (Reuters) - Jogadores e treinadores procuraram minimizar nesta terça-feira o significado político de um confronto entre Grécia e Alemanha na Euro 2012.

O técnico da Alemanha, Joachim Loew, recusou-se a ser arrastado para uma discussão política a respeito do jogo de sexta-feira, que colocará frente a frente a nação mais problemática da zona do euro e seu rico credor do norte. O jogo dirigiu os pensamentos na Euro para o aprofundamento da crise econômica no continente.

O atacante grego Giorgos Samaras reclamou da mídia internacional em uma entrevista coletiva por transformar um jogo de futebol em um espetáculo político após as eleições na Grécia no fim de semana.

"É uma coisa ruim você começar a criar histórias e comparar o futebol e o esporte com política", disse ele. "É apenas um jogo. Vamos jogar e se divertir porque nós amamos isso, nada mais."

A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, é uma figura extremamente impopular na Grécia por conta dos duros princípios de austeridade que ela impôs a Atenas em troca de um resgate de 130 bilhões de euros (164,79 bilhões de dólares), que um novo governo deve buscar renegociar.

Do seu lado, a Alemanha diz que tributação extra e um setor público muito menor são vitais para que a Grécia aprenda a viver dentro das suas possibilidades e não exija mais doações internacionais no futuro.

"Angela Merkel e eu temos um bom relacionamento e um acordo que ela não me aconselha sobre as formações do time e eu não a aconselho sobre declarações políticas", disse Loew a repórteres.

"É apenas um jogo normal de quartas de final contra a Grécia, e nada mais", acrescentou Loew.

Grandes potências do futebol europeu parecem prontas para dominar as fases finais da Euro 2012, depois da Itália e da Espanha passarem por uma noite de teste na segunda-feira para se juntar a Alemanha, Portugal, República Tcheca e Grécia entre os oito melhores.

França e Inglaterra são favoritas para preencher as duas últimas vagas nas quartas, embora a Inglaterra precise evitar uma derrota nesta terça-feira contra a anfitriã Ucrânia, que está contando com o talismã Andriy Shevchenko para avnçar.