2 de Julho de 2012 / às 23:47 / em 5 anos

Marin vê Del Nero como sucessor no comando da CBF

RIO DE JANEIRO, 2 Jul (Reuters) - O atual presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero, considerado influente dentro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), é um potencial candidato a assumir a direção da entidade no futuro, admitiu o atual presidente da Confederação, José Maria Marin.

Embora não pense em abdicar da presidência da entidade que assumiu após a renúncia definitiva de Ricardo Teixeira neste ano, Marin não esconde sua admiração por Del Nero.

“O Marco Polo Del Nero tem condições de me substituir a qualquer momento e em qualquer condição. Mas me sinto em condições de continuar respondendo. Continuarei na CBF e no COL”, declarou ele em conversa com jornalistas, ao se referir ao Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, que será realizada no país.

A proximidade entre os dois já foi alvo de críticas de opositores e representantes de federações que formam uma “ala rebelde”, que teme que Marin esteja pavimentando a candidatura de Del Nero a partir de 2014.

O presidente da FPF sempre acompanha Marin em eventos ligados à CBF. Seu nome foi indicado para o COL e para o comitê executivo da Fifa na era Marin.

O presidente da CBF disse também que quer aproximar a seleção brasileira, principal produto da entidade, de cidades além do eixo Rio de Janeiro-São Paulo.

“Uma coisa é certa. Vamos evitar São Paulo e Rio; quero levar para outros centros do país”, declarou ele.

Com essa mudança, Marin, que é político de carreira, poderia agradar algumas federações locais, que atualmente formam um foco de resistência contra ele. Além disso, as federações têm direito de voto na eleição para presidente da CBF.

Apesar do anúncio de Marin, a preparação da seleção olímpica que vai aos Jogos de Londres deve acontecer na sede do Flamengo, no Rio de Janeiro.

AINDA INFLUENTE

Apesar de ter renunciado à presidência da CBF neste ano abalado por uma série de denúncias de irregularidades dentro e fora do país, Ricardo Teixeira ainda tem influência na entidade, como admitiu o próprio Marin.

Teixeira firmou um contrato com a CBF para prestação de serviço como consultor e captador de novos patrocínios. Dois desembolsos da CBF superaram mais de 100 mil reais em favor de Teixeira de acordo com as contas da própria entidade

Marin justifica que a maioria dos contratos em vigor foi firmada por Teixeira, que passou 23 anos à frente da CBF.

“Ele é um homem de larga experiência no futebol brasileiro... um homem que preciso recorrer muitas vezes por conta dos quase 300 contratos em andamento”, disse Marin.

“Jamais iria dispensar em ter ao meu lado alguém que esteve anos à frente da CBF, é reconhecido como um homem do futebol e que trouxe vários títulos ao Brasil. Ele foi um dirigente vitorioso”, finalizou.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below