Romário ataca lista de Mano e critica opção por Hulk

quinta-feira, 5 de julho de 2012 18:19 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 5 Jul (Reuters) - A convocação do técnico Mano Menezes para a Olimpíada de Londres recebeu críticas de bate-pronto do ex-atacante Romário, que considerou um equívoco do treinador chamar o atacante Hulk em vez de reforçar a criticada defesa brasileira.

Romário participou do evento em que o treinador anunciou a convocação olímpica, nesta quinta-feira, a convite do presidente da CBF, José Maria Marin, e disparou duras críticas logo em seguida.

"Foi uma merda. Nada contra os que foram chamados acima de 23 anos, mas se é para chamar, que se chame jogadores de respeito", disse Romário à Reuters.

"Não sou o treinador, mas discordo dessa convocação. Eu levaria três defensores (acima de 23 anos)", afirmou o ex-jogador, acrescentando que, na sua opinião, os três veteranos do Brasil na Olimpíada deveriam ser os zagueiros Thiago Silva e David Luiz e o lateral Daniel Alves.

Em sua lista, Mano confirmou a convocação de Thiago Silva, que já tinha sido antecipada, e chamou o lateral Marcelo. O treinador, no entanto, optou por levar Hulk para reforçar o ataque em vez de mais um zagueiro.

Romário, campeão da Copa do Mundo de 1994 e medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de 1988, focou suas críticas na convocação do atacante do Porto.

"O Hulk é um bom jogador, que tem futuro, mas ele é um jogador para Copa do Mundo (de 2014), não para a Olimpíada", afirmou.

"Temos vários outros jogadores acima de 23 anos, na minha opinião e de todo Brasil. Tinha que levar um jogador que imponha mais respeito", acrescentou Romário, que vai estar em Londres como comentarista de uma TV.

Antes da convocação, realizada em um hotel do Rio de Janeiro, Romário e seu ex-parceiro de ataque no Brasil Bebeto foram anunciados pela CBF como responsáveis por um torneio de futebol entre jovens de comunidades carentes do Rio organizado pela entidade.

O ex-atacante e atual deputado federal reapareceu em um evento da CBF depois de um longo período de afastamento em consequência de desavenças com o ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira, que deixou o cargo em março em meio a várias denúncias de irregularidades.