Uma Vila no nome, se não na realidade

sábado, 14 de julho de 2012 16:06 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES, 14 Jul (Reuters) - Quando a primeira leva de atletas chegar à Vila Olímpica segunda-feira, eles irão encontrar um novo lar que pouco se parece com qualquer coisa da zona rural inglesa.

Em termos de tamanho físico, pode ser a definição estrita de um lugar maior que uma aldeia e menor que uma cidade.

A espécie de vila familiar que atravessou épocas na literatura de ficção --patos na lagoa, críquete na grama verde, sino na igreja e pessoas da região apreciando uma cerveja do lado de fora do pub numa tarde de verão-- definitivamente não é.

Há um pub, mas ele não serve álcool. O verde da paisagem é rodeado por modernos blocos de apartamentos e uma igreja que é um centro multi-fé.

Há espaços verdes, piscinas úmidas e flores silvestres, mas não há fazendas ou campos além do perímetro da cerca de arame, apenas a corajosa realidade de uma das regiões mais pobres do leste de Londres. O centro da cidade está a apenas sete minutos de trem.

Nada disso importa para os principais atletas do mundo, para os quais a maior prioridade será uma boa noite de sono, comida sob demanda e transporte confiável para locais de fácil acesso.

Nestes três pontos, e ainda mais considerando as facilidades de recreação, a Vila preenche todos os requisitos, mesmo que o mundo real pare no estilo de segurança dos postos de controle dos aeroportos.

"Isso bate um Club Med", afirmou o prefeito de Londres, Boris Johnson, em uma típica declaração rude e patriótica durante uma recente visita.   Continuação...

 
Vista do Victory Park, na Vila Olímpica construída para os Jogos Olímpicos de Londres, no bairro de Stratford, em Londres. Quando a primeira leva de atletas chegar à Vila Olímpica segunda-feira, eles irão encontrar um novo lar que pouco se parece com qualquer coisa da zona rural inglesa. 30/06/2012 REUTERS/Olivia Harris