Fifa vai reexaminar caso ISL que cita Havelange e Teixeira

terça-feira, 17 de julho de 2012 10:49 BRT
 

ZURIQUE, 17 Jul (Reuters) - A Fifa decidiu examinar novamente os detalhes do caso ISL, depois da divulgação de documentos judiciais que descrevem pagamentos de subornos aos ex-dirigentes brasileiros João Havelange e Ricardo Teixeira.

A entidade que dirige o futebol mundial nomeou o norte-americano Michael Garcia para chefiar o comitê responsável pela investigação, como parte das recentes reformas no comitê de ética da Fifa. O juiz alemão Hans-Joachim Eckert foi nomeado para comandar o tribunal que julgará os casos e imporá sanções.

"Ele (Garcia) terá não só o direito como também o dever de fazer esse caso ser analisado nos aspectos éticos e morais, e então se reportar ao comitê executivo", disse o presidente da Fifa, Joseph Blatter, a jornalistas.

"Os presidentes de ambas as câmaras são totalmente independentes, isso foi solicitado pelo Congresso da Fifa", acrescentou.

A eleição de Garcia foi uma surpresa, pois havia ampla expectativa de que o indicado seria o promotor internacional Luis Moreno-Ocampo, conhecido por sua atuação no Tribunal Penal Internacional.

Em documento divulgado na semana passada, o Ministério Público suíço acusa Havelange, ex-presidente da Fifa, e Teixeira, ex-presidente da CBF e ex-membro do comitê executivo da Fifa, de terem recebido milhões de dólares em propinas relacionadas à venda de direitos comerciais de Copas do Mundo na década de 1990.

Os valores foram pagos pela empresa ISL, que havia sido encarregada pela Fifa da venda dos direitos, mas que faliu em 2001, deixando uma enorme dívida. Blatter era secretário-geral da Fifa na época em que Havelange era presidente, e a revelação feita na Suíça gerou questionamentos sobre se ele sabia dos pagamentos.

Blatter disse que os pagamento --que ele chamou de "comissões"-- eram legais na época dos fatos.

Havelange é presidente honorário da Fifa, e Teixeira renunciou neste ano ao comando da CBF e do comitê organizador da Copa de 2014.

(Reportagem de Brian Homewood)