19 de Julho de 2012 / às 20:20 / 5 anos atrás

Para Thiago Silva, negociações dos clubes atrapalham seleção

19 Jul (Reuters) - Depois de trocar o Milan pelo Paris Saint Germain numa transação milionária, o capitão da seleção olímpica do Brasil, Thiago Silva, afirmou que os rumores sobre negociações envolvendo jogadores do time de Mano Menezes atrapalham a concentração da equipe em busca da inédita medalha de ouro olímpica em Londres.

"Vou ser sincero e isso às vezes atrapalha porque você está focado e vê num site uma notícia que fulano vai para não sei aonde. Fui para o Paris, foi difícil para mim e não estava conseguindo me focar na seleção", disse ele a jornalistas nesta quinta-feira.

"Quem está na aflição de ir ou não ir espero que resolvam logo porque é difícil lidar com isso", acrescentou.

O técnico Mano Menezes já fez um apelo para que os jogadores resolvam seus destinos antes da estreia nas Olimpíadas, contra o Egito, na semana que vem, de forma a não afetar a caminhada rumo ao ouro olímpico.

Alguns atletas da seleção têm seus nomes envolvidos em possíveis transações, como os casos de Oscar, do Internacional, que interessa ao Chelsea; Lucas, do São Paulo, que está nos planos do Manchester United, além do meia Paulo Henrique Ganso e o goleiro Rafael, ambos do Santos.

"Isso está acontecendo e pertence à vida individual de cada um. Não vejo prejuízo ao trabalho no dia-a-dia", avaliou o treinador do Brasil.

Em sua primeira entrevista após fechar com o PSG, Thiago Silva, de 27 anos, se disse aliviado e contente com o desfecho. A venda foi uma das maiores da história do futebol internacional envolvendo um defensor, por um valor estimado de 40 a 45 milhões de euros.

"Fiquei feliz com a minha transferência e triste com a saída do Milan, onde vivi emoções muito fortes. Não sou mercenário e não vou ganhar mais no Paris", declarou o capitão do Brasil.

Na sexta-feira o Brasil faz um amistoso com a Grã-Bretanha, preparatório para a estreia contra o Egito. "Tivemos uma preparação boa, hotel bom, a comissão soube lidar e desta vez não foi conturbado", disse o zagueiro.

No treino preparatório, Mano Menezes deu atenção especial ao time da estreia nos Jogos. Os ajustes ao sistema defensivo foram a prioridade.

"Dei uma ideia a eles dos pequenos espaços que estão aparecendo e precisamos corrigir. Foram ajustes", afirmou o treinador.

"Estamos aproveitando para reforçar ideias bem executadas e para melhorar, ainda temos um bom campo de melhora... coordenando movimentação e posicionamento de laterais. Precisamos melhorar a capacidade de recuperação na perda da bola", completou.

O Brasil vai estrear contra o Egito com Rafael Cabral, Rafael, Juan, Thiago Silva e Marcelo; Sandro, Rômulo, Oscar e Hulk; Damião e Neymar. O grupo do Brasil em Londres tem ainda Nova Zelândia e Belarus.

Em quatro amistosos antes da preparação final para os Jogos, o Brasil venceu Dinamarca e Estados Unidos e perdeu para México e Argentina. "O jogo com a Argentina é de referencia pelo que apresentamos contra uma seleção completa deles. Se conseguirmos repetir o padrão, temos obrigação de fazer mais e melhor contra seleções sub-23", finalizou Mano Menezes.

Texto de Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below