Em toda a Grã-Bretanha, sinos tocam pela Olimpíada

sexta-feira, 27 de julho de 2012 09:24 BRT
 

Por Mike Collett-White

LONDRES, 27 Jul (Reuters) - Sinos tocaram nesta sexta-feira em toda a Grã-Bretanha para anunciar o final da contagem regressiva para os Jogos Olímpicos de Londres, que começam à tarde com uma exuberante e excêntrica cerimônia que celebrará a nação numa festa de dança, música e fogos de artifícios, inspirada em "A Tempestade", de William Shakespeare.

O espetáculo de três horas, com início às 21 horas locais (17 horas em Brasília) e criado pelo cineasta Danny Boyle (de "Quem Quer Ser Um Milionário?", levará o espectador em uma viagem pelo idílico interior britânico e pela fuligem da Revolução Industrial, culminando com uma explosão da cultura pop.

O evento será visto por 60 mil pessoas no Estádio Olímpico de Stratford, construído numa zona antes deteriorada do leste de Londres, e por mais de 1 bilhão de pessoas pela TV no mundo todo. O primeiro-ministro David Cameron disse que alguns trechos darão "frio na espinha".

O público será convidado a cantar junto em alguns trechos e a participar da criação do espetáculo visual, que dará o tom para uma celebração esportiva com 16 mil atletas de 204 países. A cidade espera receber 11 milhões de visitantes.

A Olimpíada responde também uma pergunta que há sete anos está na boca dos britânicos - se valeu a pena gastar 14 bilhões de dólares no planejamento e construção de instalações, durante uma das piores recessões da história nacional, além dos transtornos causados pelas obras.

"Há uma enorme sensação de entusiasmo e ansiedade, porque a Grã-Bretanha está pronta para receber o maior espetáculo da Terra", disse Cameron. "Este é um grande momento para o nosso país, então temos de aproveitar."

Mas houve tropeços no caminho.

Até recentemente, a cobertura da imprensa foi dominada pela admissão, feita pela empresa G4S, de que não teria como contratar e mobilizar suficientes seguranças para as instalações olímpicas, apesar de ter assinado um contrato de milhões de libras para fazer isso. Milhares de soldados precisaram ser mobilizados de última hora para preencher a lacuna.   Continuação...