Brasil tem começo promissor em Londres e já atinge 20% da meta

sábado, 28 de julho de 2012 18:48 BRT
 

Por Pedro Fonseca

LONDRES, 28 Jul (Reuters) - Com um ouro, uma prata e um bronze no primeiro dia de disputas nos Jogos de Londres, o Brasil não só conseguiu neste sábado seu melhor início de Olimpíadas de todos os tempos, mas também já atingiu 20 por cento da meta de 15 medalhas estabelecidas pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

O ouro feminino inédito conquistado pela judoca Sarah Menezes no peso-ligeiro (até 48kg), a prata do nadador Thiago Pereira nos 400 metros medley e o bronze do também judoca Felipe Kitadai levaram o Brasil ao 4o lugar no quadro medalhas neste início de competição, ao lado da Coreia do Sul e atrás de China, Itália e Estados Unidos.

"Estamos melhorando a cada ano e a cada Jogos Olímpicos", disse Thiago Pereira, após receber sua primeira medalha em uma Olimpíada, ao ser perguntado se o Brasil estava mostrando sua força já para os próximos Jogos, que serão realizado no país.

A preparação dos atletas brasileiros para Londres, a última Olimpíada antes dos Jogos do Rio-2016, é a mais cara e completa já realizada pelo COB, mas ainda assim os dirigentes anunciaram uma meta de apenas repetir a conquista das 15 medalhas dos Jogos de Pequim-2008.

O grande salto de qualidade que o Brasil espera dar será daqui a quatro anos, com a expectativa de terminar pela primeira vez entre os 10 primeiros no quadro de medalhas. O governo federal vai apresentar um plano de apoio ao esporte de alto rendimento, com volume recorde de recursos, após o encerramento dos Jogos de Londres para se atingir esse patamar.

"O objetivo é que o quadro de medalhas na Olimpíada do Rio de Janeiro seja compatível com a nossa condição de país sede das Olimpíadas. Todos os países que sediaram Olimpíada tiveram um plano relacionado com os seus objetivos", disse o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, após assistir à medalha de ouro de Sarah Menezes.

Na capital britânica os atletas brasileiros recebem uma estrutura comparável à das potências olímpicas como EUA e Austrália, de forma que não haja "desculpas" dos competidores que não conseguirem os resultados esperados, de acordo com o superintendente-executivo de esporte do COB, Marcus Vinícius Freire.

O principal investimento in loco foi o aluguel do centro esportivo Crystal Palace, o quartel-general do Brasil em Londres, com locais de treinamento, alimentação e acomodação exclusivos para os brasileiros. Além disso, a maior parte da delegação brasileira conta com recursos do programa do governo federal Bolsa Atleta.

O valor do investimento feito pelo COB na preparação dos atletas não foi divulgado, mas o comitê garante que é o maior da história.

As 15 medalhas do Brasil em Pequim (3 de ouro, 4 de prata e 8 de bronze) foram em atletismo, natação, vôlei, vôlei de praia, vela, futebol e taekwondo. Em Londres, a expectativa de subir ao pódio é praticamente nas mesmas modalidades.