Remadora alemã nega ligações com extrema-direita

segunda-feira, 6 de agosto de 2012 14:54 BRT
 

BERLIM, 6 Ago (Reuters) - Uma remadora alemã que abandonou a Vila Olímpica na semana passada negou ter pontos de vista de extrema-direita e disse que ela ajudou a convencer o namorado a mudar seus modos meses atrás.

A mídia alemã havia relatado que Nadja Drygalla era suspeita de simpatizar com a extrema-direita e que seu namorado Michael Fischer, que participou em uma eleição regional para o partido de extrema-direita NPD em 2011, foi um dos principais membros dos "Socialistas Nacionais de Rostock".

"Meu namorado não é membro da NPD desde maio e se distanciou da coisa toda", disse ela à agência de notícias alemã DPA, negando também que ele era um membro do grupo de Rostock.

"Foi um enorme fardo no nosso relacionamento", contou Drygalla, no que se acredita ser a sua única entrevista desde que deixou Londres.

"E eu deixei claro para ele em muitas discussões que eu não compartilho de seus pontos de vista e não os apoio. Nós não tínhamos um relacionamento muito feliz quando tudo isso estava acontecendo."

Embora não seja ilegal ser membro do Partido Nacional Democrático (NPD), apesar das tentativas de bani-lo, a agência de inteligência da Alemanha descreve o partido como racista, antissemita e inspirado pelos nazistas, características que contradizem a Carta Olímpica.

(Reportagem de Erik Kirschbaum e Elisa Oddone)