August 6, 2012 / 6:03 PM / 5 years ago

Zanetti sai do anonimato direto para o ouro olímpico

5 Min, DE LEITURA

O brasileiro Arthur Nabarrete Zanetti levanta uma bandeira brasileira após competir na final de argolas durante os Jogos Olímpicos de 2012 em Londres, no Reino Unido. 6/08/2012Brian Snyder

Por Pedro Fonseca

LONDRES, 6 Ago (Reuters) - Pouca gente conhecia Arthur Zanetti fora do meio esportivo antes de o ginasta, de 22 anos, tornar-se campeão olímpico da prova de argolas dos Jogos de Londres, nesta segunda-feira, conquistando a primeira medalha da ginástica brasileira em Olimpíadas.

Bem menos badalado do que seus colegas de seleção brasileira Diego Hypólito, Daniele Hypólito e Daiane dos Santos, Zanetti chegou onde nenhum compatriota jamais tinha ido ao bater o tetracampeão mundial e medalhista de ouro em Pequim-2008, Chen Yibing, para levar a medalha de ouro na capital britânica.

O brasileiro, o último a se apresentar na North Greenwich Arena entre os oito finalistas olímpicos, terminou em 1o lugar com 15.900 pontos, ante 15.800 do chinês e 15.733 do italiano Matteo Morandi, que ficou com o bronze.

A nota de Zanetti ficou bem acima dos 15.616 que ele obteve nas eliminatórias, quando não apresentou sua série mais difícil. Ao ser o último a se apresentar na final, ele já entrou na competição sabendo o que seus adversários tinham conseguido.

Após a entrada oficial dos competidores no ginásio, Zanetti saiu da arena para uma área de aquecimento enquanto Yibing iniciava a primeira série da final. O brasileiro só voltou perto da hora de fazer a sua apresentação, e sabia que a pontuação dos adversários o deixava em condições não só de subir ao pódio, mas de buscar o título olímpico.

"Quando eu olhei a nota dele (Yibing) eu falei 'não é impossível'. Eu sabia que era muito difícil mas não impossível, e veio bem na hora certa minha concentração e todo o meu treinamento de longos anos", disse Zanetti, que antes de Londres conquistou o título da etapa de Ghent da Copa do Mundo com uma nota superior à do título olímpico (15.925).

"Agora eu sou o número 1, mas agradeço a ele por eu ter chegado até aqui, porque foi treinando para derrubar ele que eu consegui chegar", acrescentou Zanetti sobre o rival chinês, que venceu o brasileiro no Mundial do Japão no ano passado. Naquele torneio, o chinês teve uma nota de partida maior que a do brasileiro, que mudou a sua série para ter a mesma nota de partida que o adversário na Olimpíada.

"Com a mesma nota de partida a diferença seria na execução e a minha série foi muita boa, praticamente sem erro. Dei um passinho a mais na saída, mas foi só um décimo que perdi", afirmou o brasileiro, que foi o mais aplaudido na arena ao encerrar sua apresentação.

"Divisor De águas"

A competição no Japão, em outubro de 2011, foi a primeira aparição de Zanetti num grande torneio internacional e, apesar da medalha de prata, ele saiu do torneio ainda como um desconhecido no Brasil.

Ele pratica o esporte desde os 7 anos na Sociedade Esportiva Recreativa Cultural Santa Maria, em São Caetano do Sul (SP), uma associação financiada pela prefeitura e que conta com a ajuda dos pais dos atletas para se manter, inclusive com equipamentos fabricados pelo pai de Zanetti.

Somente a dois meses dos Jogos Olímpicos Zanetti conseguiu seu primeiro patrocínio e, assim como praticamente todos os medalhistas olímpicos do Brasil, espera que o resultado abra novas possibilidades para sua carreira e o esporte amador no Brasil como um todo.

"Todo o trabalho é desde lá atrás, é feito na associação de pais, os pais dele ajudam, a prefeitura ajuda, então não é uma coisa feita agora""', disse o técnico Marcos Goto, que selecionou Zanetti entre um grupo de crianças para treinar ginástica por causa de sua baixa estatura (atualmente tem 1,56m) e da agilidade.

"Espero que isso seja o divisor de águas no país, que o próprio país possa enxergar que os atletas com pouco apoio conseguem uma medalha de ouro, se tiver mais apoio na ginástica e em outras modalidades também menos privilegiadas, que não seja o futebol, vai ser uma grande mudança", acrescentou.

A primeira medalha do Brasil na ginástica era aguardada desde que Daiane dos Santos conquistou o título mundial do solo, em 2003, e tornou-se uma celebridade esportiva no país. Então favorita na Olimpíada de 2004, ela frustrou as expectativas na final do solo ao pisar fora do tablado.

Em 2008, a esperança se voltou para o bicampeão mundial Diego Hypólito, mas ele também falhou ao sofrer uma queda no solo. Um novo tombo em Londres deixou Hypólito fora da disputa de medalhas, enquanto a equipe feminina não classificou nenhuma ginasta para as finais, num reflexo dos problemas enfrentados na preparação para os Jogos --incluindo o corte às vésperas da competição de Jade Barbosa, a melhor ginasta do país.

Zanetti garantiu que não sentiu qualquer pressão extra pelas decepções anteriores e que fez um bom trabalho psicológico para manter a concentração. Segundo seu técnico, a missão de Zanetti era competir para ele mesmo.

"A gente não tinha que provar nada para ninguém, mesmo que ele tivesse sido campeão mundial e fosse conhecido. Ele conhece todo o trabalho que nós fizemos até aqui e sabia qual era o nosso objetivo", disse.

Edição de Tatiana Ramil

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below