Para atletas de elite, Olimpíada é assunto de família

segunda-feira, 6 de agosto de 2012 16:49 BRT
 

Por Belinda Goldsmith

ROMA, 6 Ago (Reuters) - Quando a britânica Gemma Gibbons, campeã olímpica de judô, conquistou a medalha de prata nos Jogos de 2012, ela olhou para o céu e disse "Te amo, mãe", uma homenagem comovente à sua mãe, que morreu oito anos atrás.

Bert le Clos, pai do nadador sul-africano Chad, que derrotou Michael Phelps nos 200m borboleta, se tornou sensação na Internet quando gritou por seu "menino lindo", puxando a camiseta para cima do estômago ao perceber que estava ao vivo na TV.

Se os holofotes estão nos esportistas, nos bastidores frequentemente estão famílias tão comprometidas e dedicadas ao esporte quanto os atletas, sacrificando as finanças e o estilo de vida para que seus filhos e filhas busquem seus sonhos.

Kathy Vollmer, mãe da nadadora norte-americana Dana, que conquistou três ouros em Londres, costumava dirigir quatro horas por dia para levar sua filha aos treinos.

Percebendo que estavam comendo e fazendo as tarefas da escola no carro, ela decidiu dar aulas à filha em casa.

"Quando Dana não se classificou para os Jogos de Pequim foi muito decepcionante, mas todos nós aprendemos com cada decepção e cada contusão", disse Vollmer à Reuters na P&G House, um centro criado em Londres para as famílias dos atletas.

"Você precisa passar para suas crianças a crença de que podem fazer tudo com trabalho duro e esforço", acrescentou, admitindo que se sente fraca e enjoada quando Dana vai competir.

Será que alguns familiares vão longe demais? Os pais da saltadora chinesa Wu Minxia foram bombardeados na mídia depois que se revelou que eles esconderam a morte de seus avôs durante um ano e mantiveram em segredo a luta da mãe contra um câncer, para não distraí-la.   Continuação...