August 7, 2012 / 7:18 PM / 5 years ago

Brasil supera Rússia em jogo dramático e vai à semi no vôlei feminino

5 Min, DE LEITURA

A brasileira Sheilla Castro (à esquerda, embaixo) defende a bola contra a russa Nataliya Goncharova durante as quadras de final de vôlei durante as Olimpíadas de 2012 em Londres, no Reino Unido. 7/08/2012Ivan Alvaredo

Por Pedro Fonseca

LONDRES, 7 Ago (Reuters) - O Brasil jogou como atual campeão olímpico na hora que precisava e, depois de salvar seis match points, derrotou a Rússia por 3 sets a 2 e se classificou para as semifinais dos Jogos de Londres, nesta terça-feira, enterrando uma primeira fase em que esteve à beira de ser eliminado.

"Foi uma das mais lindas vitórias que esse time já teve. O time da Rússia é muito bom ... Hoje a gente saiu de várias situações difíceis. Em jogos assim o time cresce. As jogadoras cada vez criam mais personalidade", disse o técnico José Roberto Guimarães, aliviado após a partida.

O adversário da semifinal será o Japão, que venceu a China, também no tiebreak. O retrospecto brasileiro é de três vitórias em três jogos contra as japonesas em Olimpíadas.

"A gente já tem que começar a pensar no Japão, mas não me pergunta nada do Japão agora, quero curtir um pouco essa vitória", declarou o treinador brasileiro.

A vitória contra a Rússia, com parciais 24-26, 25-22, 19-25, 25-22 e 21-19, foi uma revanche dos Jogos de Atenas-2004, quando o Brasil estava com vantagem de 24-19 no quarto set da semifinal, perdeu todos os match points e acabou derrotado.

As russas também superaram as brasileiras nas finais dos Mundiais de 2006 e 2010.

"Estava entalado, esse jogo era muito importante para a gente. Não só o fato de passar para a semifinal, mas de passar o estigma que muita gente diz que o Brasil não ganha da Rússia", disse o técnico.

"A gente não pode esquecer a Olimpíada de Pequim, que a gente ganhou de 3 a 0", acrescentou Zé Roberto, lembrando do título brasileiro na Olimpíada passada.

Essa será a quinta Olimpíada seguida em que o Brasil vai disputar medalha no vôlei feminino, depois de ter subido no pódio em todos os Jogos desde o bronze em Atlanta-1996, culminando com o ouro em Pequim-2008.

A vitória contra a Rússia colocou novamente o time no rol dos favoritos ao título após uma campanha ruim na primeira fase, com duas derrotas em cinco jogos, em que o time dependeu dos adversários na última rodada para se classificar com a última vaga para as quartas de final.

Jogo Equilibrado

No jogo com as russas, as duas defesas se destacaram no primeiro set, em que nenhuma equipe abriu mais de dois pontos de vantagem, e a Rússia chegou à vitória depois que um erro de coordenação entre a levantadora Fernandinha e a meio-de-rede Thaisa deu um ponto decisivo de graça para as russas, que abriram 24-23.

O Brasil ainda teve a chance de empatar em 26 num ataque de Scheilla, mas a bola foi para fora.

O início do segundo set parecia outro jogo. A defesa brasileira atuou de forma ainda melhor, com importante participação do bloqueio, enquanto as russas não conseguiram parar os ataques de Sheilla e Fernanda Garay.

As brasileiras abriram vantagem de 18-10 e, apesar de terem visto as adversárias se aproximarem, conseguiram se manter à frente para fechar em 25-22 e empatar o jogo em 1 set a 1.

Na parcial seguinte foi a vez de a Rússia conseguir uma folga no placar, obtida ao encontrar uma forma de furar o bloqueio brasileiro -- o que foi motivo de reclamação do técnico José Roberto Guimarães com as jogadoras num pedido de tempo. O placar de 25-19 veio com uma atuação implacável da dupla Nataliya Goncharova e Ekaterina Gamova no ataque.

Uma derrota no set seguinte e o Brasil seria mandado de volta para casa, e para complicar as russas começaram com vantagem de 3-0. Ajudada pela torcida, que mais uma vez era maior que a do adversário na arena Earls Court, o time brasileiro conseguiu reagir e mostrou tranquilidade no momento de definição para levar o jogo para o tiebreak, com uma vitória por 25-22.

O Brasil deixou para mostrar justamente no set de desempate seu melhor jogo desde o início da Olimpíada, com uma vitória por 21-19 que credencia o time a provavelmente brigar novamente com os Estados Unidos na final olímpica, como há quatro anos.

As brasileiras estavam em desvantagem no tiebreak até a ponta Fernanda Garay acertar dois saques que quebraram a defesa adversária.

"Foi um saque abençoado, que entrou no momento certo. (A vitória) mostra a força do nosso grupo. A gente nunca deixou de acreditar e é na dificuldade que a gente cresce", disse Fernanda.

As norte-americanas ainda vão enfrentar a República Dominicana nas quartas de final e, vencendo, pegarão quem passar do confronto Itália x Coreia na outra semifinal.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below