Sem medalha, hipismo do Brasil reclama da falta de cavalos

quarta-feira, 8 de agosto de 2012 16:38 BRT
 

LONDRES, 8 Ago (Reuters) - Com um 12o e um 22o lugares na final da prova de saltos, os cavaleiros do Brasil deixaram a Olimpíada de Londres nesta quarta-feira reclamando da falta de cavalos à disposição.

Álvaro Affonso de Miranda, o Doda, e Rodrigo Pessoa, ambos expatriados na Europa, não conseguiram repetir na capital britânica as atuações que levaram o hipismo ao pódio olímpico em Atlanta-1996, Sydney-2000 e Atenas-2004, e disseram que não tiveram um número suficiente de cavalos para treinar e competir antes dos Jogos.

"Precisamos de mais cavalos de qualidade. Cada cavaleiro da equipe precisa ter pelo menos dois para nós chegarmos bem nos Jogos do Rio, em 2016. Não podemos chegar na ponta da corda, como foi aqui", reclamou Pessoa, campeão olímpico da prova individual em 2004, que além de competir também é o técnico da equipe brasileira.

"Nesse patamar de competição, é 70 por cento cavalo e 30 por cento cavaleiro. É difícil achar um cavalo de qualidade, e mais difícil ainda adquiri-lo", acrescentou, em nota divulgada pelo Comitê Olímpico Brasileiro. Segundo Pessoa, um cavalo de nível olímpico custa de 1 a 4 milhões de euros.

Doda, que ficou em 12o, e Pessoa, o 22o, faziam parte das equipes que conquistaram o bronze por equipes em 1996 e 2000. Nos Jogos de Londres, no entanto, o Brasil terminou em 8o lugar, depois que o cavalo Maestro St. Louis, de José Roberto Reynoso, teve um problema no aquecimento e acabou cometendo várias faltas em seu percurso.

Na final individual desta quarta, Rodrigo e Doda cometeram uma falta cada um na primeira passagem e avançaram entre os 20 mais bem colocados. Rodrigo foi o primeiro a saltar na segunda passagem, mas cometeu três faltas e excedeu o tempo, ficando fora da disputa. Doda entrou logo depois com Rahmannshof's Bogeno e cometeu uma falta, além de excesso de tempo, terminando em 12o.

A medalha de ouro ficou com o suíço Steve Guerdat, que zerou os dois percursos. Em 2o lugar ficou o holandês Gerco Schroder e em 3o, o irlandês Cian O'Connor.

(Reportagem de Pedro Fonseca)