Corredor do Sudão do Sul diz que luta pela vida o levou aos Jogos

sexta-feira, 10 de agosto de 2012 17:07 BRT
 

Por Belinda Goldsmith

LONDRES, 10 Ago (Reuters) - O maratonista Guor Marial fugiu do Sudão, país africano devastado por uma guerra civil, temendo por sua vida, mas disse que a luta pela sobrevivência lhe deu forças para se tornar um competidor olímpico.

A jornada extraordinária de Marial da guerra no Sudão de 14 anos atrás aos Jogos de 2012 culmina neste domingo, quando ele compete como um maratonista sem pátria e refugiado na prova de 42 quilômetros.

Enquanto se prepara para a prova, sua família, que ele não vê desde 1993, está viajando 48 km, de seu vilarejo sem eletricidade ou telefone até a cidade de Panrieng, no Sudão do Sul, para assistir ao evento na televisão.

Marial, de 28 anos, disse que está correndo por eles e para chamar atenção sobre os refugiados e sua nação, o país mais novo do mundo e que conquistou a independência em julho do ano passado após um acordo de paz estabelecido com o Sudão em 2005.

O Sudão do Sul ainda não criou um comitê olímpico, e por isso não pôde enviar uma delegação aos Jogos de Londres. Marial compete como atleta independente sob a bandeira olímpica.

Sequestrado duas vezes no Sudão, Marial perdeu 28 familiares no conflito e disse que carregará seu país "nos ombros" no domingo.

"Crescer durante a guerra foi perigoso e difícil. Era uma questão de sobrevivência do mais apto", disse ele em uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira. "Sinto-me afortunado de ter esse histórico, isso me ajudou com a corrida e com o cotidiano."

Depois de fugir do Sudão, Marial foi para o Egito e dali para os Estados Unidos em 2001, então com 16 anos, e hoje vive em Flagstaff, no Arizona.   Continuação...