10 de Agosto de 2012 / às 20:08 / em 5 anos

Corredor do Sudão do Sul diz que luta pela vida o levou aos Jogos

Por Belinda Goldsmith

LONDRES, 10 Ago (Reuters) - O maratonista Guor Marial fugiu do Sudão, país africano devastado por uma guerra civil, temendo por sua vida, mas disse que a luta pela sobrevivência lhe deu forças para se tornar um competidor olímpico.

A jornada extraordinária de Marial da guerra no Sudão de 14 anos atrás aos Jogos de 2012 culmina neste domingo, quando ele compete como um maratonista sem pátria e refugiado na prova de 42 quilômetros.

Enquanto se prepara para a prova, sua família, que ele não vê desde 1993, está viajando 48 km, de seu vilarejo sem eletricidade ou telefone até a cidade de Panrieng, no Sudão do Sul, para assistir ao evento na televisão.

Marial, de 28 anos, disse que está correndo por eles e para chamar atenção sobre os refugiados e sua nação, o país mais novo do mundo e que conquistou a independência em julho do ano passado após um acordo de paz estabelecido com o Sudão em 2005.

O Sudão do Sul ainda não criou um comitê olímpico, e por isso não pôde enviar uma delegação aos Jogos de Londres. Marial compete como atleta independente sob a bandeira olímpica.

Sequestrado duas vezes no Sudão, Marial perdeu 28 familiares no conflito e disse que carregará seu país "nos ombros" no domingo.

"Crescer durante a guerra foi perigoso e difícil. Era uma questão de sobrevivência do mais apto", disse ele em uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira. "Sinto-me afortunado de ter esse histórico, isso me ajudou com a corrida e com o cotidiano."

Depois de fugir do Sudão, Marial foi para o Egito e dali para os Estados Unidos em 2001, então com 16 anos, e hoje vive em Flagstaff, no Arizona.

Marial afirmou que nunca correu por prazer no Sudão, e seu professor de ginástica teve algum trabalho para convencê-lo a abraçar o esporte.

"Em casa, quando corre, você corre do perigo", disse Marial, diplomado em química. "Mas isso se tornou algo que eu amo e quero continuar a fazer."

Marial obteve a marca para se classificar para a Olimpíada em outubro passado e aprimorou seu melhor tempo na Califórnia no mês passado, terminando a prova em 2h12min55s - o recorde mundial é 2h03min38s.

Autoridades olímpicas sugeriram que Marial corresse pelo Sudão em Londres, mas ele se recusou, dizendo que seria uma traição ao seu país, à sua família e a todos que morreram na guerra.

Uma semana antes dos Jogos, o Comitê Olímpico Internacional (COI) concordou em permitir que ele competisse como atleta independente sob a bandeira olímpica.

Marial é um dos quatro esportistas nessa condição em Londres, a terceira Olimpíada a receber atletas com esse status, depois de Barcelona-1992 e Sydney-2000. Os outros três são das ex-Antilhas Holandesas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below