CURTAS-Zé Roberto reencontra 'corcunda da sorte' em Londres

sábado, 11 de agosto de 2012 19:34 BRT
 

LONDRES, 11 Ago (Reuters) - José Roberto Guimarães temeu ser eliminado ainda na primeira fase da Olimpíada de Londres, quando a seleção feminina dependia de uma derrota da Turquia para se classificar, mas guardava consigo um segredo que o fazia acreditar no bicampeonato.

Ao fazer o credenciamento para entrar na Vila Olímpica assim que chegou a Londres, o treinador viu um voluntário corcunda e lembrou que em 1992, antes de levar a seleção masculina também ao ouro olímpico, ele tinha encontrado um garçom corcunda e cumprido um ritual de superstição -- fazer um pedido enquanto passava a mão nas costas do corcunda.

Desesperado para repetir a superstição com o corcunda inglês, o treinador recorreu a um pin olímpico recebido das mãos de um funcionário do COB e teve o álibi que precisava para se aproximar e conseguir fazer mais uma vez o pedido.

Religioso, além de supersticioso, o treinador vai completar um trecho do caminho de Santiago de Compostela com a esposa para cumprir uma promessa feita pelo ouro -- repetindo o que já fez em 2008 quando conquistou o título em Pequim.

DILMA NA ESPERA

O treinador, que depois de cada jogo gosta de conversar com jornalistas e contar histórias como a do corcunda, acabou deixando, sem querer, a presidente Dilma Rousseff esperando no telefone após a conquista do ouro.

Depois de atender pacientemente à imprensa brasileira, Zé Roberto conversava com um repórter italiano quando um assessor da comissão técnica da seleção brasileira o chamou avisando que Dilma queria falar com ele.

O técnico, no entanto, aparentemente não prestou atenção e continuou a entrevista. Quando foi atender a presidente, a ligação tinha caído. Ele, depois, conseguiu falar com a presidente.

DANCINHAS NO PÓDIO   Continuação...