Brasil faz 8 x 0 na fraca China e reencontra aplausos da torcida no Recife

terça-feira, 11 de setembro de 2012 00:23 BRT
 

10 Set (Reuters) - O Brasil encontrou contra a inexpressiva seleção chinesa o adversário ideal para aplicar uma goleada de 8 x 0, com três gols de Neymar, e receber os aplausos do público no estádio do Arruda, no Recife, nesta segunda-feira, ao contrário das vaias que marcaram a vitória apertada sobre a África do Sul no feriado da Independência.

O Nordeste, e o Recife em especial, são um tradicional centro de apoio à seleção brasileira em momentos difíceis, e o palco não poderia ser mais apropriado para o momento vivido pelo criticado time do técnico Mano Menezes, após a derrota na final olímpica para o México e a vitória nada convincente por 1 x 0 sobre os sul-africanos, em São Paulo, na sexta-feira.

Depois da goleada, os jogadores se reuniram no centro do gramado para agradecer o apoio. "Essa é a conexão que a gente tem que ter com a torcida. A gente é consciente do que tem que melhorar, mas sem eles (torcida) a gente não pode melhorar. Com a ajuda deles tudo vai ser mais fácil. A seleção brasileira é de todos, e se houver essa conexão o trabalho flui bem", disse o lateral Daniel Alves ao deixar o campo.

O time, que foi vaiado diversas vezes no Morumbi - sem exceção até mesmo para o atacante Neymar, que foi chamado de "pipoqueiro" - recebeu o apoio do torcedor no Arruda desde o início contra os chineses, apesar de não ter começado a partida bem. O estádio, no entanto, não estava cheio e as imagens de televisão mostraram espaços vazios na arquibancada.

Somente depois que Ramires abriu o marcador, aos 22 minutos de jogo, numa arrancada pela esquerda em que fez tabela com Oscar antes de tocar por cima do goleiro, que o time melhorou em campo.

Três minutos depois, Hulk deu passe para Oscar e este fez cruzamento rasteiro para Neymar empurrar para as redes. Na comemoração, o atacante do Santos exibiu um sorriso e, ao sair para o intervalo, explicou que "ninguém tira o meu sorriso, independentemente das vaias ou dos elogios."

Além dos 2 x 0 no primeiro tempo, o Brasil acertou uma vez a trave, com Neymar logo no início do jogo, e o travessão com Oscar, num chute praticamente embaixo da baliza. Neymar também perdeu uma chance cara a cara com o goleiro Zeng Cheng ao tentar encobri-lo duas vezes na mesma jogada. O chinês defendeu.

No segundo tempo, o Brasil deslanchou para alcançar a maior vitória sob comando de Mano Menezes. Ao contrário dos gritos de olé do Morumbi, que eram uma ironia quando a África do Sul atacava, desta vez o time brasileiro ouviu o olé das arquibancadas ao trocar passes no campo chinês com a goleada garantida.

Lucas fez o terceiro gol da seleção brasileira logo aos três minutos da etapa final, com um toque rasteiro no canto após nova jogada de Hulk e Oscar. O quarto foi de Hulk - autor do gol da vitória contra a África do Sul, quando entrou no segundo tempo, e que foi titular contra a China no lugar de Leandro Damião --, aproveitando rebote de um chute de Neymar que acertou o travessão.   Continuação...