Torcedor poderá vender ingressos pela internet na Copa de 2014

quarta-feira, 10 de outubro de 2012 09:01 BRT
 

Por Keith Weir

LONDRES, 10 Out (Reuters) - Os torcedores poderão vender pela internet ingressos indesejados durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, numa tentativa da Fifa de garantir que os estádios estejam lotados nas partidas.

Os Jogos Olímpicos de Londres e a Euro-2012 na Polônia e na Ucrânia foram dois eventos marcados por fileiras de assentos vazios em locais que estavam supostamente com entradas esgotadas, o que prejudicou o espetáculo.

Os patrocinadores também serão solicitados a dar detalhes sobre quem está usando os seus ingressos, disse o diretor de marketing da Fifa, Thierry Weil, nesta quarta-feira, acrescentando, no entanto, que é impossível erradicar o não comparecimento de portadores de entradas para os jogos.

"O que esperamos dos patrocinadores é que sejam justos e francos com a gente sobre quem está chegando e quem não está vindo, quais bilhetes vão usar e quais bilhetes não vão usar, para que possamos realocar os ingresso antes dos jogos", disse Weil a repórteres.

"O não comparecimento é uma preocupação maior do que o lado comercial. Mesmo com uma plataforma de revenda, você terá pessoas que não vão comparecer", acrescentou Weil.

Os clubes europeus estão fazendo negócios com empresas que revendem os ingressos para permitir que os torcedores vendam as entradas online para as partidas que não poderão comparecer.

Weil disse que a Fifa vai testar seus sistemas de ingressos durante a Copa das Confederações de 2013 no Brasil, um evento que é visto como um grande ensaio para a Copa do Mundo.

Ele previu que a troca de ingressos será usada principalmente por torcedores estrangeiros que decidiram de última hora não viajar para o Brasil ou que tinham comprado ingressos só para as fases finais mas sua equipe acabou eliminada.

Os preços dos ingressos para o torneio serão anunciados no próximo mês e a Fifa terá uma categoria especial com preços mais baixos para garantir que as pessoas mais pobres não sejam excluídas da Copa do Mundo.

"A meta é garantir o acesso a todos os diferentes grupos de brasileiros", disse Weil.