Vieira defende punições duras para clubes por racismo da torcida

sexta-feira, 30 de novembro de 2012 12:12 BRST
 

LONDRES, 30 Nov (Reuters) - O ex-meiocampista francês Patrick Vieira defendeu a perda de pontos e a exclusão de competições europeias de times que tiverem jogadores ou torcedores condenados por comportamentos racistas.

Vieira, que teve passagens pelo Arsenal, Manchester City e seleção francesa, disse que a Fifa, a Uefa e a FA (entidades que organizam o futebol no mundo, na Europa e na Inglaterra, respectivamente) deveriam adotar uma postura rigorosa após uma onda de incidentes de cunho racial.

"Se você realmente quiser lutar contra o racismo, se realmente quiser mostrar ao mundo que o futebol quer lutar contra ele, é preciso usar uma dedução de pontos contra clubes, ou expulsá-los da competição europeia", disse Vieira, hoje diretor de desenvolvimento futebolístico do Manchester City, ao jornal inglês The Times.

"Isso vai conter (o racismo), é claro. Se você expulsa um clube da Europa porque ele não consegue controlar seus torcedores, isso vai acontecer uma vez, e posso lhe garantir que não vai acontecer duas vezes. Se nada for feito, a situação vai ficar cada vez pior, e você nunca sabe aonde as coisas vão parar."

"Antes de chegarmos a um lugar onde não conseguimos mais controlar isso", acrescentou, "é preciso parar imediatamente, e a única forma de parar é ter punições claras e fortes".

Vieira, de 36 anos, disse que a Itália --onde ele jogou por vários clubes-- claramente não demonstra empenho contra o racismo. "Não quero que a Inglaterra chegue onde a Itália está, porque a Itália nunca luta contra isso. Então, como um jogador negro, se você vai à Itália você precisa esperar isso, e tem de aceitar."

(Reportagem de Toby Davis)

 
Jogador Patrick Vieira vai a uma coletiva de imprensa no estádio olímpico de Turin, na Itália. O ex-meiocampista francês Patrick Vieira defendeu a perda de pontos e a exclusão de competições europeias de times que tiverem jogadores ou torcedores condenados por comportamentos racistas. 14/12/2010 REUTERS/Giorgio Perrottino