27 de Janeiro de 2013 / às 15:37 / 5 anos atrás

Valente, Murray se curva a um Djokovic implacável no Aberto da Austrália

O sérvio Novak Djokovic posa com troféu após derrotar o britânico da Andy Murray na final do Aberto da Austrália em Melbourne. 27/01/2013Damir Sagolj

Por Simon Carraud

MELBOURNE, 27 Jan (Reuters) - Andy Murray correu e correu até gastar a sola dos pés, e ainda assim não bastou.

As esperança de conquistar um segundo título consecutivo de Grand Slam do britânico foram frustradas pela resistência e pelo brilho defensivo de Novak Djokovic, número um do mundo, na final do Aberto da Austrália.

A vitória do sérvio em 6-7, 7-6, 6-3 e 6-2 neste domingo foi a quinta derrota de Murray em seis finais de Grand Slam. Mas depois de ter desencantado no Aberto dos EUA batendo Djokovic em setembro, é improvável que a mágoa do escocês dure tanto tempo desta vez.

Tendo disputado uma semifinal de cinco sets com Roger Federer e tido um dia a menos que o sérvio para se recuperar, Murray aparentou calma, salvou cinco pontos de quebra no primeiro set e jogou um tie break soberbo para sair na frente.

Mas sua grande chance chegou e se foi no segundo game do set seguinte, quando tinha 0-40 sobre Djokovic e não conseguiu fechar o game. Foi o divisor de águas da partida.

"Eu estava conseguindo vários 0-15, 15-30, 0-30, e não soube capitalizar minhas chances no saque dele", disse Murray aos repórteres. "Esse foi o lado decepcionante".

"Joguei um bom segundo set. Criei algumas oportunidades e não as aproveitei pra valer. Essa foi a diferença."

Os dois tenistas de 25 anos, nascidos em semanas consecutivas, estão separados por duas posições no ranking, mas mostraram novamente que, quando se enfrentam, a distância entre eles é mínima.

Murray declarou estar um pouco duro após o esforço contra Federer, mas mais preocupante era uma bolha feia em seu pé direito, que afetou sua habilidade de frear e mudar de direção.

Tendo recuperado a energia no final do segundo set, Djokovic colocou Murray para correr de um lado para o outro, aumentando lentamente sua dor.

Ainda assim, só no oitavo game do terceiro set, com duas horas e 51 minutos de jogo, Murray entregou a primeira quebra de serviço com uma bola na rede.

As trocas de bola fulminantes começavam a cobrar seu preço, e Murray cedeu o saque de novo no terceiro game da quarta etapa --e o jogo praticamente terminou ali.

Murray negou que a bolha tenha afetado suas chances e afirmou estar mais do que feliz por chegar à terceira final do Aberto da Austrália e sua terceira final consecutiva de Grand Slam.

"Nesses últimos meses joguei o melhor tênis da minha vida", disse. "Cheguei à final de Wimbledon, venci a Olimpíada, o Aberto dos EUA e cheguei perto disso aqui".

"Sei que ninguém conquistou um Grand Slam logo depois de vencer seu primeiro. Não é a coisa mais fácil de fazer, e eu cheguei muito perto."

"Esta é a primeira vez em que derrotei Roger em um Grand Slam em cinco sets. Acho que lidei bem com as circunstâncias, as idas e vindas da partida."

"Senti-me muito mais à vontade na quadra hoje do que até mesmo no Aberto dos EUA, isso é um lado positivo."

Reportagem de Simon Cambers

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below