Felipão diz que merece segunda chance na seleção

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 15:27 BRST
 

Por Brian Homewood

LONDRES, 5 Fev (Reuters) - Luiz Felipe Scolari se recusa a aceitar que tenha perdido seu toque mágico e acredita que merece a segunda passagem na seleção brasileira, apesar das críticas sobre seus resultados recentes como técnico.

Felipão levou o Brasil a seu quinto título mundial, em 2002, antes de conduzir Portugal à final da Euro 2004 e às semifinais da Copa do Mundo em 2006. No entanto, as coisas não foram tão bem para ele depois disso.

Nomeado novamente técnico do Brasil em novembro, Scolari tem pela frente uma partida com a Inglaterra, na quarta-feira, em seu retorno à equipe. Antes, ele ficou menos de uma temporada como treinador do Chelsea, unindo-se à longa lista de vítimas do proprietário do clube, Roman Abramovich.

Ele deixou então os clubes conhecidos e foi treinar o Bunyodkor, no Uzbequistão, ganhando um título da liga local, até voltar ao Brasil em 2010 para treinar o Palmeiras.

Embora sob o seu comando o Palmeiras tenha conquistado o título da Copa do Brasil no ano passado, Scolari deixou o clube pouco depois, quando a equipe definhava entre os últimos na tabela do Campeonato Brasileiro. Por fim, o time foi rebaixado.

Felipão, no entanto, vê com uma perspectiva diferente o seu desempenho recente.

"Quando eu saí, o Chelsea estava em posição de se qualificar para a Liga dos Campeões, era o terceiro no campeonato, e ainda estava na Copa da Inglaterra", disse ele em entrevista coletiva no estádio de Wembley.

"(Os resultados) foram razoavelmente bem, meus problemas foram em outros lugares", afirmou Scolari, que estava rouco, lutando contra uma dor de garganta. Ele também defendeu sua viagem ao Uzbequistão.   Continuação...

 
Técnico da seleção brasileira de futebol, Luiz Felipe Scolari, é visto durante coletiva de imprensa no estádio Wembley em Londres. Scolari se recusa a aceitar que tenha perdido seu toque mágico e acredita que merece a segunda passagem na seleção brasileira, apesar das críticas sobre seus resultados recentes como técnico. 05/02/2013 REUTERS/Stefan Wermuth