Brasil perde para Inglaterra no retorno de Felipão

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 20:58 BRST
 

6 Fev (Reuters) - A seleção brasileira foi derrotada pela Inglaterra por 2 x 1 nesta quarta-feira, no estádio Wembley, em Londres, no primeiro jogo desde a volta do técnico Luiz Felipe Scolari.

O Brasil, que perdeu pênalti com Ronaldinho no primeiro tempo, mostrou desentrosamento na defesa, principalmente pelo lado esquerdo, onde jogou o estreante Dante, e pouca inspiração no ataque -Luis Fabiano e Ronaldinho foram substituídos no intervalo e Neymar teve poucas chances.

O gol brasileiro foi marcado por Fred, enquanto Rooney e Lampard fizeram os gols da Inglaterra.

Em seu primeiro confronto no retorno à seleção, Felipão, comandante do título mundial em 2002 e que assumiu a equipe no fim de novembro, escalou o time com Júlio César, Daniel Alves, David Luiz, Dante e Adriano; Ramires, Paulinho, Oscar e Ronaldinho; Neymar e Luis Fabiano.

Brasileiros e ingleses jogaram com uma tarja preta na camisa e foi feito um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do incêndio em uma boate em Santa Maria (RS), onde 238 morreram na madrugada de 27 de janeiro.

Antes da partida, Ashley Cole e Ronaldinho foram homenageados por completarem 100 jogos por suas seleções. Ronaldinho recebeu das mãos do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, uma camisa com o número 100.

Aos 19 minutos, Ronaldinho, campeão com Felipão em 2002, teve a chance de coroar sua 100a partida com um gol, mas perdeu um pênalti, marcado após um toque de mão na bola. O goleiro Hart defendeu o chute fraco e, no rebote, Ronaldinho tentou empurrar para as redes, mas novamente o goleiro inglês evitou o gol.

A Inglaterra respondeu aos 26 minutos e abriu o placar. Depois de boa troca de passes no meio-campo, Walcott ficou cara a cara com Júlio César, que fez a defesa com os pés. No rebote, Rooney tocou para o gol vazio.

SEM REAÇÃO   Continuação...

 
O atacante Neymar cai em campo durante derrota do Brasil para a Inglaterra nesta quarta-feira em Londres. REUTERS/Stefan Wermuth