COI diz que obras da Rio-2016 estão no prazo, mas seguirá "vigilante"

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 20:15 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 20 Fev (Reuters) - Após três dias de visitas a obras e instalações que serão usadas nos Jogos Olímpicos de 2016, integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI) garantiram que a preparação do Rio de Janeiro para o evento está em dia, mas é preciso vigilância constante.

Essa foi a quarta inspeção de dirigentes do COI ao Rio e, à medida que a competição vai se aproximando, as visitas serão mais frequentes.

"O Rio de Janeiro não está atrasado", disse nesta quarta-feira o diretor executivo da comissão de coordenação, Gilbert Felli.

No entanto, a vice-presidente do COI e presidente da comissão de coordenação do COI para os Jogos do Rio, Nawal El Moutawakel, fez uma ressalva.

"Já vimos avanços sólidos no Rio de Janeiro ... entretanto, muitos projetos precisam ser entregues e há um grande trabalho a ser feito; estamos confiantes, mas vigilantes para que os prazos sejam respeitados", destacou ela.

O começo da execução de algumas obras e a possibilidade de vê-las materializadas devem trazer um conforto maior para os mais céticos, na avaliação de Felli. "Não é cartão amarelo ainda ou vermelho (para o Rio). As coisas estão indo no ritmo. O comitê sempre quer ver o começo de construção. Vamos parar de ver buracos e ver construção. Queremos ver e recebemos garantias de que ficará dentro dos prazo", afirmou o diretor executivo do COI.

Os integrantes do COI não foram específicos sobre os pontos que merecem mais atenção, porém o tema da acomodação é algo que ainda não está totalmente solucionado, embora haja uma confiança na ampliação da oferta de quartos no Rio, seja com a construção de novos hotéis, ampliações das hospedagens já existentes, conversão de unidades ou utilização de quartos de navios como apoio durante o evento.

"É importante que o plano final de acomodações seja apresentado nos próximos meses, porque esse é um ponto fundamental", declarou Nawal a jornalistas.

As autoridades brasileiras citam as acomodações como um tema que precisa avançar. Existe um déficit de acomodações na cidade, especialmente na Barra da Tijuca, bairro que vai concentrar boa parte dos Jogos de 2016. Esse déficit seria de 756 habitações, de acordo com as autoridades.   Continuação...

 
O dirigente do comiê organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 Sidney Levy (D) e o presidente do comitê, Carlos Arthur Nuzman (C), observam a vice-presidente do COI e presidente da comissão de coordenação do COI para os Jogos do Rio, Nawal El Moutawakel, durante entrevista no Rio nesta quarta-feira. REUTERS/Ricardo Moraes