Uefa planeja sanções mais duras para combater racismo

quarta-feira, 10 de abril de 2013 11:53 BRT
 

Por Mike Collett

MANCHESTER, Inglaterra, 10 Abr (Reuters) - Os jogadores considerados culpados por ofensas racistas enfrentarão uma suspensão mínima de 10 partidas em competições europeias, e a Uefa espera que a mesma sanção seja adotada por todos os países do continente, disse o secretário-geral da federação europeia de futebol, Gianni Infantino.

Os clubes também vão enfrentar um fechamento parcial dos estádios após um primeiro incidente de abuso racista por parte dos fãs, e um fechamento completo no caso de uma segunda infração, além de multas mais pesadas.

As novas sanções, discutidas pelo Comitê Executivo da Uefa, mas divulgadas apenas nesta quarta-feira, afetam inicialmente todas as partidas de competições europeias, e a Uefa espera que as associações afiliadas adotem as mesmos punições nas competições nacionais.

"Temos que ter sanções e elas devem ter um efeito impeditivo, o que estamos propondo é que se um jogador ou oficial for condenado por racismo, deve receber uma suspensão de ao menos 10 jogos", disse Infantino, palestrante de abertura do Fórum Europeu Soccerex, em Manchester.

"Se os torcedores de um clube forem considerados culpados de abuso racista, a primeira sanção será um fechamento parcial da área do estádio onde ocorreu o abuso racista ocorreu", disse.

"Para uma segunda infração, haverá o fechamento total e uma multa mínima de 50.000 euros (65,3 mil dólares)."

O dirigente suíço-italiano também disse que os árbitros seriam incentivados a encerrar partidas em caso de abuso racista por parte tanto de torcedores como de jogadores.

Incidentes racistas causaram um grande impacto no passado recente, em especial os casos na Inglaterra envolvendo John Terry, do Chelsea, que foi banido por quatro partidas, e Luis Suárez, do Liverpool, que pegou gancho de oito jogos.

Kevin-Prince Boateng, do Milan, retirou sua equipe de campo após insultos racistas durante um amistoso na Itália contra a equipe da 4ª divisão italiana Pro Patria, em janeiro.