Nicolás Leoz deixa presidência da Conmebol e comitê executivo da Fifa

terça-feira, 23 de abril de 2013 17:29 BRT
 

ASSUNÇÃO, 23 Abr (Reuters) - Nicolás Leoz renunciou nesta terça-feira ao cargo de presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e a seu posto no comitê executivo da Fifa por razões de saúde.

O paraguaio de 84 anos, que foi submetido a uma cirurgia de coração pela quarta vez em dezembro, liderou a Conmebol por seis mandatos consecutivos desde 1986 e esteve no comitê executivo da Fifa desde 1998.

"Convidei vocês para esta reunião para compartilhar com vocês a minha aposentadoria da... Fifa", disse Leoz a jornalistas antes de acrescentar que avisou o presidente da entidade que controla o futebol mundial, Joseph Blatter, de sua decisão.

"Estou anunciando minha aposentadoria de todos os comitês da Fifa, porque isso é importante para a minha vida. Um comitê muito importante é o comitê organizador da Copa do Mundo de 2014 (no Brasil), mas razões importantes me impedem de ficar nessa posição."

"Eu ainda tenho uma boa saúde mental, mas fisicamente estou muitas vezes impedido", acrescentou Leoz, que foi acusado de receber dinheiro da ISL, ex-parceira de marketing da Fifa, segundo um programa de 2010 da BBC.

O paraguaio negou qualquer irregularidade.

Os resultados de uma investigação da Fifa sobre as denúncias de corrupção envolvendo a ISL deveriam ter sido divulgados em março, mas podem ser apresentados nesta semana ou antes do congresso da entidade em maio.

Um promotor suíço disse em um documento legal em julho que o ex-presidente da Fifa João Havelange e o ex-integrante do comitê executivo da Fifa e ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Ricardo Teixeira aceitaram suborno de vários milhões de dólares em acordos sobre Copa do Mundo na década de 1990.

Leoz teria recebido 730.000 dólares em supostos subornos da ISL, empresa que faliu em 2001.

O dirigente paraguaio disse que deixa seus cargos com a consciência limpa. "Me sinto muito feliz porque estou saindo com a tranquilidade e entendimento de ter feito um trabalho honesto e sincero", afirmou.

(Por Daniela Desantis)