Bola volta a rolar, mas Maracanã não se livra das polêmicas

quinta-feira, 25 de abril de 2013 16:08 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO, 25 Abr (Reuters) - Foram quase 900 milhões de reais gastos, adiamentos na entrega da obra, disputa na Justiça e vários protestos, até de índios. Nos mais de dois anos e meio em que esteve fechado, o Maracanã tornou-se epicentro de polêmicas e deixou o futebol do Rio de Janeiro órfão. A espera pela tão aguardada volta da bola ao gramado se encerra no fim de semana, mas os problemas não.

O novo Maracanã será inaugurado no sábado, com a capacidade total reduzida para 78.639 pessoas após uma reforma completa para adequar a arena construída para a Copa do Mundo de 1950 aos padrões exigidos para o Mundial de 2014. O chamado "templo do futebol" também será palco da decisão, assim como no trágico "Maracanazo" diante do Uruguai na final de 64 anos antes.

Mas, por enquanto, somente o interior ficou pronto e os operários ainda correm contra o tempo para terminar obras do exterior, acabamentos e a pavimentação do entorno do estádio antes do primeiro jogo oficial, o amistoso Brasil x Inglaterra, no dia 2 de junho. Esse será o único evento-teste completo antes da Copa das Confederações, que terá a final realizada lá em 30 de junho.

"Essa reinauguração representa a volta do futebol ao Rio de Janeiro. Nesse período em que o Maracanã ficou fechado o Rio perdeu seu ícone do futebol e todo carioca se sentiu meio órfão de um lugar que faz parte da história", disse à Reuters o artilheiro do Maracanã, Zico, autor de 333 gols no estádio.

"O Maracanã é o grande palco do futebol do Rio de Janeiro e agora está reabrindo num momento importante, com a Copa do Mundo e a Copa das Confederações", acrescentou o ex-jogador do Flamengo e da seleção brasileira, em entrevista por telefone.

O jogo de sábado será entre os times dos amigos de Ronaldo e Bebeto, membros do Comitê Organizador Local da Copa. Os torcedores serão os trabalhadores da obra e seus familiares nas arquibancadas, com 30 por cento da capacidade. Só dois portões de acesso vão funcionar, enquanto os outros ainda são verdadeiros canteiros de obra.

A previsão inicial de conclusão do estádio era dezembro de 2012 --data estabelecida pela Fifa como limite para as seis arenas da Copa das Confederações. Mas seguidos adiamentos atrasaram a abertura em quase cinco meses.

A reforma completa do complexo do Maracanã, incluindo as demolições do parque aquático Júlio Delamare e do estádio de atletismo Célio de Barros, só será feita para a Copa do Mundo de 2014, e ainda podem ocorrer batalhas na Justiça.   Continuação...

 
Vista aérea dos retoques finais da instalação do teto do estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, em 9 de abril. Foram quase 900 milhões de reais gastos, adiamentos na entrega da obra, disputa na Justiça e vários protestos, até de índios. 09/04/2013 REUTERS/Ricardo Moraes