Ferguson diz que não espera aposentadoria tranquila

sexta-feira, 17 de maio de 2013 10:58 BRT
 

Por Sonia Oxley

MANCHESTER, Grã-Bretanha, 17 Mai (Reuters) - Alex Ferguson promete que, ao acordar na próxima segunda-feira sem a obrigação de treinar o Manchester United, não pretende colocar os pés para o alto e se contentar com uma aposentadoria tranquila.

O escocês, de 71 anos, dirige sua equipe pela 1.500ª e última vez no próximo domingo, contra o West Bromwich Albion, após mais de 26 anos em Old Trafford.

Na noite de segunda-feira, ele participou de um desfile em ônibus aberto pelas ruas de Manchester, para celebrar o 20º título nacional do time e o 13º de Ferguson, e depois disso conseguiu dormir dez horas, algo excepcional para ele. Mas sua prioridade não é descansar.

"Não acho que serei desse jeito, sou guiado a assumir alguns desafios e algumas outras coisas imediatamente", disse ele na sua última entrevista coletiva pré-jogo, na qual entrou sendo aplaudido pela imprensa, que nem sempre teve uma relação fácil com ele.

"Tenho uma reunião da associação de técnicos na segunda-feira, vou ao (hipódromo de) Newmarket na terça e quarta-feira... tem o Derby (de Epsom) em 1º de junho, vou tirar um mês de férias, aí vou fazer a cirurgia (de quadril), aí tenho a recuperação, aí a temporada começa, então estamos bem."

Ferguson permanecerá no Manchester como diretor do clube, e nomeou seu sucessor, David Moyes, que estava no Everton.

Na entrevista, ele refletiu sobre o que mudou no futebol em seus 39 anos como treinador, começando em times modestos (East Stirlingshire, St Mirren, Aberdeen) antes de ser contratado em 1986 pelo Manchester United.

Fergusson contou que em 1974 tinha à sua disposição "oito jogadores e nenhum goleiro", e comparou isso à sólida estrutura do Manchester United -- "seis goleiros, cem jogadores".   Continuação...

 
Técnico do Manchester United, Alex Ferguson, aplaude a multidão ao entrar no campo de Old Trafford pela última vez antes de sua aposentadoria, em Manchester, norte da Inglaterra. Ferguson promete que, ao acordar na próxima segunda-feira sem a obrigação de treinar o Manchester United, não pretende colocar os pés para o alto e se contentar com uma aposentadoria tranquila. 12/05/2013. REUTERS/Phil Noble