Jogadores do Brasil preveem evolução para Copa das Confederações

segunda-feira, 3 de junho de 2013 18:22 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 3 Jun (Reuters) - Com um amistoso e duas semanas de trabalho antes da estreia na Copa das Confederações, os jogadores da seleção brasileira esperam uma evolução técnica da equipe nos próximos compromissos.

No primeiro tempo do amistoso contra a Inglaterra, no domingo, o Brasil jogou bem, criou oportunidades e deixou um boa impressão ao técnico Luiz Felipe Scolari. O jogo terminou empatado em 2 x 2.

"Ficamos felizes pelo primeiro tempo e esperamos levar isso para o jogo com a França (no dia 9, em Porto Alegre) e para a Copa das confederações. Acho que estamos evoluindo para chegar bem na Copa das Confederações", afirmou o meia Oscar em entrevista coletiva nesta segunda-feira no Rio de Janeiro.

O time brasileiro da primeira etapa pode ser a base para o amistoso com a França e para a estreia na Copa das Confederações, dia 15, contra o Japão.

"Fizemos um bom jogo, houve evolução em alguns setores e estamos progredindo", declarou o atacante Fred.

A seleção brasileira começou a partida com uma formação mais cautelosa, com dois volantes de marcação, Paulinho e Luiz Gustavo. No segundo tempo, Felipão trocou Luiz Gustavo pelo meia Hernanes.

"Criamos bastante, tivemos personalidade e tivemos uma boa atuação com a Inglaterra. Acho que estamos no caminho certo e evoluindo", afirmou Fred.

O Brasil saiu na frente no amistoso com os ingleses com um gol de Fred, mas permitiu a virada do adversário. No fim do jogo, Paulinho empatou para o Brasil. "Foi um primeiro tempo muito bom, mas precisamos de ajustes com certeza. Estamos em processo de evolução", disse o volante Paulinho.

O Brasil ainda não venceu uma seleção de grande porte na era Felipão. Desde a volta do treinador, o Brasil perdeu e empatou com a Inglaterra, venceu a Bolívia e empatou com Itália, Rússia e Chile.

"Os resultados não estão vindo, mas o trabalho está sendo bem feito e progredindo", afirmou o lateral Daniel Alves.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)