Espanha prova que "tiki-taka" está vivo e em alta

segunda-feira, 17 de junho de 2013 16:35 BRT
 

Por Andrew Downie

RECIFE, 17 Jun (Reuters) - O domínio espanhol contra o Uruguai na estreia das equipes na Copa das Confederações mostrou que os relatos sobre a ruína do futebol "tiki-taka" são prematuros, independentemente do que aconteceu na Liga dos Campeões nesta temporada.

Gols no primeiro tempo de Pedro e Roberto Soldado colocaram a Espanha em controle total da partida, e o placar de 2 x 1, depois que Luis Suárez descontou numa cobrança de falta no fim da partida, não refletiu a superioridade da Espanha em campo.

A equipe uruguaia pode estar sofrendo as consequência da falta de renovação desde o quarto lugar alcançado na Copa do Mundo de 2010 e do título na Copa América do ano seguinte, mas ainda assim é uma seleção que não pode ser desconsiderada entre as mais importantes do mundo.

Mas, como muitos outros, os uruguaios simplesmente não conseguiam tomar a bola da Espanha, e rapidamente perdiam a posse quando a tinham. Edinson Cavani, artilheiro do Campeonato Italiano nesta temporada, praticamente não tocou na bola e Suárez foi uma figura isolada.

"É muito difícil criar qualquer tipo de perigo quando você não toca na bola", disse um frustrado Suárez a repórteres. "A Espanha é o melhor do time mundo e favorita a vencer a Copa do Mundo."

A dupla vitória de times da Alemanha sobre times espanhóis nas semifinais da Liga dos Campeões, em que o Bayern de Munique derrotou o Barcelona e o Borussia Dortmund eliminou o Real Madrid, levou a sugestões sobre uma mudança no equilíbrio do futebol mundial.

A goleada de 7 x 0 do Bayern na soma dos dois jogos contra o Barcelona, em particular, foi exaltada por alguns como o fim do estilo "tiki-taka" do futebol espanhol.

Mas o time de Vicente del Bosque deu muitas provas de sua eficiência, a ponto de, em um determinado momento do segundo tempo, o público ter começado a vaiar a intensa troca de passes.   Continuação...