Brasil reforça marcação para voltar ao topo do futebol

quinta-feira, 20 de junho de 2013 22:11 BRT
 

Por Tatiana Ramil

FORTALEZA, 20 Jun (Reuters) - Eliminada nas duas últimas Copas do Mundo ainda na fase de quartas de final e com resultados decepcionantes nos últimos anos, a seleção brasileira busca na marcação forte a forma de voltar a dominar o futebol mundial.

Para o coordenador técnico do Brasil, Carlos Alberto Parreira, todos os jogadores precisam fechar os espaços do adversário. Essa marcação começa no ataque, com Fred e Neymar.

"Nós temos muito claro, pela experiência em seleção brasileira, que o futebol brasileiro tem um enorme desafio pela frente, que é fazer com que o time jogue sem a bola. Quando a gente consegue fazer com que o time jogue sem a bola, ou seja, marcar, ocupar espaço, impedir que o adversário jogue, nós estamos com a mão na taça", disse Parreira em entrevista coletiva em Fortaleza nesta quinta-feira, um dia depois da vitória por 2 x 0 sobre o México.

A seleção tem até agora dois triunfos na Copa das Confederações -na estreia derrotou o Japão por 3 x 0- sem ter tomado nenhum gol.

Se for levado em conta o amistoso contra a França no começo deste mês, o time comandado por Luiz Felipe Scolari soma três jogos seguidos sem ter sua rede balançada. Foi nessa partida que o Brasil conseguiu sua primeira vitória sobre um campeão mundial em quase quatro anos, reforçando a fase difícil vivida pela seleção pentacampeã.

Desde que Felipão e Parreira voltaram ao comando da seleção brasileira, no fim do ano passado, eles têm reforçado aos jogadores a importância da marcação.

"Eles (jogadores) mesmos se cobram o poder de marcação, dizem ‘não podemos tomar gol', porque eles sabem que fazer um ou dois (gols) nós vamos fazer. Está todo mundo participando, porque na hora de jogar nós fazemos a diferença", afirmou Parreira, técnico campeão do mundo com o Brasil em 1994.

"Não é um time defensivo, é um time que impeça o adversário de jogar", ressaltou.   Continuação...

 
O jogador Jô (2º d/e) celebra com Neymar (d) após marcar gol contra o México em jogo da Copa das Confederações, no Estádio Castelão, em Fortaleza, na quarta-feira. 19/06/2013 REUTERS/Jorge Silva