Contra Espanha, Prandelli diz que busca qualidade, não vingança

quarta-feira, 26 de junho de 2013 20:13 BRT
 

FORTALEZA, 26 Jun (Reuters) - O técnico Cesare Prandelli acha que a Itália tem algo a provar quando enfrentar a Espanha na semifinal da Copa das Confederações, na quinta-feira.

Mas o que ele quer não é vingança pela goleada de 4 x 0 no último confronto, na final da Eurocopa-2012. "Não, definitivamente não. Não gosto da palavra ‘vendetta' ou vingança. Nossa ambição é exibir nossa qualidade, nossa quantidade e nossa força. Nosso objetivo é dar o melhor de nós. Queremos fazer um jogo equilibrado e vencer", disse ele.

O goleiro e capitão Gianluigi Buffon reiterou a posição do técnico. "Não tenho nenhum ressentimento contra a Espanha, então vingança não é a nossa meta. Quando você joga contra um grande time, às vezes é um prazer vê-lo jogar e ganhar... desde que você não seja o lado perdedor."

Ele também ressaltou a busca por um jogo "equilibrado", pois isso "significaria que estamos melhorando em relação ao ano passado".

Prandelli disse esperar que o técnico da Espanha, Vicente del Bosque, tente alguma surpresa na escalação, já que Cesc Fábregas e Roberto Soldado ainda não mostraram estar em boa forma.

"Acho que ele vai mudar alguma coisinha aqui ou ali. Teremos de ler essas mudanças imediatamente. E se fizermos isso, bom, vamos ver o que acontece."

Mas a tarefa da Itália não será fácil. O time fez um segundo tempo ruim contra o Brasil no último jogo da fase de grupos, quando foi derrotado por 4 x 2, e ainda perdeu o atacante Mario Balotelli, cortado do time após uma lesão na coxa. Destaque do time na primeira fase, ele já voltou para a Itália.

Prandelli disse que o experiente atacante Alberto Gilardino substituirá Balotelli na quinta-feira no estádio Castelão. "Ele é um jogador esforçado, e um dos melhores atacantes que temos", explicou. "Realmente lamento que Balotelli não esteja aqui. Ele traz um grande brilho individual à equipe, mas dessa forma, embora o tenhamos perdido, ganhamos outro jogador que contribui para o time".

Já Buffon, de 35 anos, que admitiu ter ido mal contra o Brasil, rejeitou as insinuações de que poderia deixar a Azzurra, pela qual já fez 131 partidas. "Há alguns grandes jovens goleiros na Itália, e tenho certeza de que todos eles terão a chance de fazerem seu nome e escreverem seu nome um dia na história italiana e internacional", afirmou.

O vencedor de Espanha x Itália faz a final da Copa das Confederações contra o Brasiil, no domingo, no Maracanã. O perdedor decide o terceiro lugar contra o Uruguai no mesmo dia, em Salvador.

(Por Mike Collett)